Após registrar o aumento da violência na invasão Monte Horebe, localizada no Conjunto Residencial Viver Melhor 2, bairro Lago Azul, Zona Norte de Manaus, a Polícia Militar do Amazonas (PMAM) deflagrou, nesta terça-feira (22), a operação Águia, denominada “ação Hexagono”, determinada pelo comandante geral da corporação, coronel PMAM Ayrton Norte.

Com a chegada das forças de segurança à comunidade, muitos criminosos se esconderam em casebres e em áreas de mata.

“Entramos na invasão de forma silenciosa e de maneira surpresa. Foram criadas estratégias para encurralar qualquer suspeito. Fizemos uma ostensividade para que os criminosos sigam e se deparem com as equipes policiais que foram inseridas nas matas e saídas dessa ocupação irregular. Reforçamos o policiamento em todas as áreas da invasão e também no Viver Melhor”, explicou o comandante.

O comandante reiterou ainda que a operação não terá um período específico para terminar, enquanto não haver resultados precisos da diminuição da criminalidade.

“Nós não vamos descansar enquanto esses vagabundos continuarem soltos na cidade. A ação deu início com um grande comboio aqui, mas todos os bairros serão cobertos pelo patrulhamento”, disse Ayrton.

As ações tiveram como objetivo a segurança dos cidadãos, prevenindo e reprimindo crimes contra o patrimônio e contra a vida, além de preservar e manter a ordem pública. Além do Monte Horebe, os policiais militares atuaram em toda a capital, por meio do Comando de Policiamento Metropolitano (CPM), Comando de Policiamento Especializado (CPE) e Comando de Policiamento Ambiental (CPAmb) nas áreas Norte, Sul, Leste, Oeste, Centro-Sul e Centro-Oeste.

Até o fechamento desta edição, não havia sido divulgado um balanço de prisões, apreensões de entorpecentes e outras atividades ilícitas coibidas na localidade.

Assassinatos 

No dia 17 deste mês, a líder comunitária Dulcinéia Ferreira Lima Ramos, 51, o filho dela, Yuri Lima Ramos, 19, e outro homem identificado apenas como Matheus foram encontrados mortos dentro da ocupação. As vítimas foram amarradas, torturadas e mortas por arma branca. Mãe e filho foram decapitados. Já na última segunda-feira (21), quatro homens foram mortos na invasão.

Foto: Jhonata Lobato