O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES), no comando do Ministério da Educação (MEC), do Governo federal para quem deseja cursar o ensino superior alterou algumas regras em 2019. A expectativa é que ainda em 2019 se tenha duas grandes seleções para quem deseja participar do programa. As inscrições serão de 7 a 14 de fevereiro.
Assim como em outros programas do governo federal, o FIES faz algumas exigências de renda, desempenho nas provas do Enem; procedimentos indispensáveis para quem deseja financiamento do governo federal.Agora são dois, o FIES e o P-FIES.
A primeira grande mudança aconteceu nos tipos de financiamento que são concedidos.
FIES – Na primeira modalidade, os financiamentos são ofertados a juro zero e são destinados somente a estudantes que têm renda familiar mensal bruta de até três salários mínimos. Nessa modalidade, o aluno irá pagar as prestações de acordo com o seu limite de renda, fazendo com que os encargos a serem pagos pelos estudantes diminuam consideravelmente.
P-FIES -Na segunda mudança, podem participar estudantes que tenham renda familiar de até cinco salários mínimos por pessoa. Os juros aqui variam de acordo com a instituição financeira escolhida. Esta modalidade funciona com recursos dos Fundos Constitucionais e de Desenvolvimento e ainda, com os recursos dos Bancos privados participantes. Os pré-selecionados precisarão estar atentos É que os contratos serão liberados por ordem de chegada e a classificação geral continua a ser feita pela nota do Enem.
Outra regra que mudou: a carência para pagamento. Se antes o estudante tinha até um ano e meio após a formatura para começar a pagar, agora ele terá de começar a descontar as parcelas logo depois que conclui o curso. As parcelas são debitadas direto da sua fonte de renda – no contracheque, por exemplo.
O prazo para pagamento da dívida varia de acordo com o perfil de cada um, sendo que o máximo permitido é de 14 anos.
link do site http://fies.mec.gov.br/