Os ministérios da Economia e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações lançaram nesta última quarta-feira (3) a Câmara Brasileira da Indústria 4.0. O objetivo é integrar as políticas públicas do governo federal de fomento à indústria 4.0, manufatura avançada e internet das coisas.

A ideia é concentrar esforços, otimizar recursos financeiros e profissionais e, efetivamente, contribuir para a modernização do parque industrial brasileiro, com foco no desenvolvimento tecnológico e inovação; capital humano; cadeias produtivas e desenvolvimento de fornecedores; regulação, normalização técnica e infraestrutura; e investimentos.

A Câmara Brasileira da Indústria 4.0 será, portanto, uma instância de governança dessas iniciativas e contará com um Conselho Superior, de caráter deliberativo, composto pelo Ministério da Economia, MCTIC e representantes da ABDI, CNI, Finep, CNPq, BNDES, Sebrae e Emprapii. Também serão formados Grupos de Trabalho, para prestar apoio técnico e apresentar soluções para temas específicos. A iniciativa reunirá atores do setor público, privado, entidades de capacitação e desenvolvimento tecnológico e academia.

Diante dos esforços empreendidos por diferentes atores, o governo federal iniciou um processo para integrar as diversas ações existentes, com foco no aumento da competitividade da produção industrial no país. A Câmara Brasileira da Indústria 4.0 terá a missão de atualizar, aperfeiçoar e harmonizar as diferentes agendas em vigor, respondendo também pela própria governança desse tema.

Participam do evento o Secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos Da Costa, e o ministro interino do MCTIC Júlio Semeghini.

A criação da Câmara Brasileira da Indústria 4.0 conta com o apoio da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Associação de Empresas de Desenvolvimento Tecnológico Nacional e Inovação (P&D BRASIL), Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit), Associação Nacional dos. Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei), Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviços Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil) e Associação Brasileira de Internet Industrial (ABII).