Iniciativa é da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, com patrocínio de várias empresas; a expectativa é que a tecnologia esteja disponível em 2022.

Uma nova tecnologia está prestes a ingressar no mercado de delivery de comida e deve trazer muitos benefícios para clientes e donos de restaurantes. Trata-se do chamado “open delivery“, que segue o mesmo conceito do open banking, open source, e quer dizer que está disponível para todos. Lucas Rudek é coordenador de pesquisa e desenvolvimento de uma fintech brasileira de meios de pagamentos, que é uma das apoiadoras do projeto, e conta que a ideia é fazer com que os atuais aplicativos se conectem. “A gente realmente consegue focar em uma única integração, que vai buscar melhorias de performance, qualidade. Então conseguimos monitorar bem de perto e se tivermos que fazer uma única melhoria, acaba fazendo uma melhoria para todo mundo.”

A iniciativa do open delivery é da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), com patrocínio de várias empresas. O empresário Célio Salles, conselheiro da Abrasel, explica que a tecnologia é fruto de uma dificuldade relatada pelos empresários: as altas taxas cobradas pelos aplicativos. “A gente conversava com os grandes aplicativos sobre as condições de mercados e desconfortos operacionais e isso evoluiu de forma moderada. Mas na pandemia é que tudo explodiu, porque restaurantes que não queriam fazer delivery foram obrigados a fazer como condição de sobrevivência”, explica.

Célio diz que os padrões de softwares desenvolvidos facilitam o ingresso de novas empresas que queiram passar a oferecer o serviço de delivery, quantos mais aplicativos, mais concorrência, o que é saudável especialmente para os restaurantes. De acordo com a Abrasel, o open delivery deve desconcentrar o mercado. Até o momento, 60 empresas já participam dos testes e a perspectiva é que a tecnologia já esteja funcionando em 2022.

Fonte: JP Notícias