Policiais militares, civis e bombeiros do Estado do Amazonas estão revoltados com o deputado federal Capitão Alberto Neto (PRB-AM), que ontem (quinta-feira) se esquivou da votação do relatório da reforma da Previdência, justamente na hora que seriam votadas regras mais brandas para aposentadoria de trabalhadores da área de segurança pública.

Para piorar a situação, o deputado federal do Amazonas deixou em seu lugar o suplente, deputado Lafayette Andrada (PRB-MG), que votou contra os trabalhadores da área de segurança.

Ao final da votação, os policiais militares, civis e bombeiros de todo Brasil tiveram seus benefícios derrubados na reforma da Previdência. Eles queriam que as regras para suas aposentadorias fossem igualadas às das Forças Armadas. A proposta foi recusada pela maioria dos deputados presentes na sessão de votação, inclusive com o voto contrario do deputado federal do Amazonas, Marcelo Ramos (PL-AM).

Nas redes sociais, os policias militares e civis do Amazonas pedem explicações dos deputados Capitão Alberto e Marcelo Ramos.

De acordo com Marcelo Ramos, o voto não altera nada para os policiais militares. “Ficou definido apenas que uma lei federal vai definir as regras gerais, e uma estadual as específicas. Não mudou absolutamente nada para eles.” Declarou o deputado.

O portal A Repórter entrou em contato com Alberto Neto mas até o final dessa reportagem, não obteve resposta.