O caso aconteceu no supermercado Extra do Rio de Janeiro e teria sido ocasionado após o rapaz tentar roubar a arma do segurança.

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra a morte de um garoto de 19 anos, identificado como Pedro Gonzaga, em uma unidade da rede de supermercados Extra no Rio. O rapaz foi imobilizado por um segurança, no início da tarde da última quinta-feira, 14, e acabou sufocado. Nas imagens, o segurança aparece deitado sobre o jovem, aparentemente desacordado, e refuta pedidos de outras pessoas para que o solte.

Uma delas diz: “Está desmaiado, não está não?”. Outra fala: “Ele tá com a mão roxa”. Mas o segurança se nega a sair de cima e responde: “Quem sabe sou eu”. Outros funcionários do supermercado ainda circundam os dois homens no chão, mas nada fazem.

SEGURANÇA RESPONDERÁ EM LIBERDADE

De acordo com o Corpo de Bombeiros, Pedro chegou a ser levado com uma parada cardiorrespiratória para o Coordenação de Emergência Regional (CER) da Barra, mas morreu na unidade. André França conta que, de acordo com a versão de Davi, o rapaz parecia “alterado”, simulou uma convulsão e, depois, um desmaio.

— Testemunhas prestaram depoimento e demonstraram que não foi bem assim que as coisas aconteceram. em sede policial, eles contaram que por volta de meio-dia e trinta, um jovem que já se encontrava dentro do supermercardo vem correndo na direção do Davi, que pede para ele não se aproximar, percebe que ele está alterado. O jovem se joga ao chão e simula um ataque convulsivo e um desmaio — disse o advogado.

Ainda de acordo com o defensor, O segurança, então, iniciou o procedimdento de primeiros-socorros:

— Nesse momento, ingressa a mãe do rapaz informando que ele era dependente químico, que estava sob o efeito de entorpecentes. Ele desperta dessa simulação, agride o segurança, entra em luta corporal. Ele consegue retirar do coldre a arma do segurança, levanta e começa a ameaçar esse segurança como o outro e mais presentes no estabelecimento. O segundo segurança consegue retirar a arma do rapaz, que entra em luta com o Davi. Que consegue fazer a contenção e aguarda a chegada da força policial.

André disse ainda que, ao ouvir pessoas gritando que Pedro estava desmaiado, Davi não acreditou.

— No primeiro momento ele havia acreditado nesse “desmaio” e foi atacado. Ele aguarda a chegada de reforços para auxiliá-lo.

O padrasto de Pedro já foi ouvido na DH e contou que o rapaz tinha problemas mentais e era usuário de drogas. A mãe do jovem, que viu i filho ser agredido, ainda não prestou depoimento.

VÍDEO MOSTRA ‘GRAVATA’ E GRITOS DE TESTEMUNHAS 

A REDE DE SUPERMERCADO EXTRA SE POSICIONOU 

Em nota, o Extra afirmou que “repudia veemente qualquer ato de violência em suas lojas” e que está investigando o caso. “Sobre o fato em questão, a empresa já abriu uma investigação interna e constatou de forma inicial que se tratou de uma reação a tentativa de furto a arma de um dos seguranças da unidade da Barra da Tijuca. Após o indivíduo ser contido pelos seguranças, a loja acionou a polícia e o socorro imediatamente. A empresa já abriu um boletim de ocorrência e está contribuindo com as autoridades para o aprofundamento das investigações”, declara a rede.