Em redes sociais e grupos de WhatsApp, manauaras se orgulham de sua origem devido o apoio e as doações as vítimas do incêndio superarem as expectativas.

Uma onda de solidariedade tomou conta da capital Amazonense nos últimos três dias recorrentes ao incêndio que aconteceu na segunda-feira (17), e destruiu mais de 600 casas, desabrigando centenas de famílias no bairro Educandos, zona sul de Manaus.

Igrejas se mobilizaram como ponto de recolhimento, doação e abrigo, assim como órgãos do governo e prefeitura. Empresas privadas fizeram doações de alimentos e móveis, a Bemol, que tem uma de suas lojas no bairro Educandos, chegou a fechar as portas e doar o estoque de colchões entre outros utensílios para o amparo das vítimas. Algumas redes de supermercados fizeram campanhas com os clientes para estimular o número de arrecadações, outras, encheram caminhões com toneladas de alimentos e entregaram nos abrigos. Também não faltou água potável, nem itens de primeiros socorros. População encheu seus carros com roupas para adultos e crianças, produtos de higiene, brinquedos, alguns fizeram comida, sopa, cachorro quente e levaram até as vítimas. 

Clínicas veterinárias se voluntariaram fazendo o atendimento e a internação de dezenas de animais com queimaduras ou que inalaram muita fumaça. Muitos morreram no local, outros perderam os movimentos, os sobreviventes foram resgatados por protetores, veterinários e voluntários em meio aos escombros, entre eles um coelho. Voluntários se mobilizaram e não deixaram faltar nada, doando rações, medicamentos e produtos de higiene para cães e gatos também. Agora as clínicas lotadas pedem por pessoas que possam adotar os que já receberam alta ou disponibilizar um lar temporário.

Em relação as pessoas que sofreram queimaduras, seguem internadas no Hospital 28 de agosto. Não há registro de óbito.

Alguns moradores que perderam as suas casas deram depoimento agradecendo a todos que se solidarizaram e disseram que até o momento não faltou nada.

A campanha se estendeu também a outros municípios como Itacoatiara há 165 quilômetros de Manaus, onde o próprio prefeito Antônio Peixoto abriu uma campanha e convocou a população para ajudar.

Além do pronunciamento de alguns artistas de todo o Brasil. Luan Santana que fará um show de Réveillon em Manaus, onde viveu alguns anos de sua infância, garantiu parte do cachê e a roupa usada no show para que seja feito um leilão em prol das vítimas.

Lembrando que a tragédia aconteceu nas vésperas de Natal, data que une todos em uma sintonia de amor. Nesse quesito Manaus foi exemplo de solidariedade e amor ao próximo.

Número de vítimas 

A Defesa Civil de Manaus e a Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc) cadastraram 622 famílias – o que representa um total de 2.195 pessoas – afetadas.

Algumas imagens das arrecadações e ações enviadas para A Repórter:

A prefeitura de Manaus disponibilizou um número de telefone para quem quiser ajudar: 0800 0950421.