Mudanças comportamentais causadas pela pandemia mudaram o cenário do mercado.

A pandemia causada pelo novo coronavírus está promovendo mudanças no comportamento de muita gente. Depois de tantos meses de isolamento social, as pessoas passaram a estabelecer uma nova relação com seu trabalho, seu lar e sua forma de se locomover.
Dentro de casa, o desejo é sentir-se um pouco mais perto do ambiente externo e com um espaço melhor adaptado para o home office: uma pesquisa realizada pelo Grupo Zap nos meses de maio e junho deste ano mostrou que atributos como vista livre, varanda e ambientes bem divididos passaram a ser mais valorizados pelo consumidor na quarentena.
E já que o trabalho invadiu o lar, a tendência é que as pessoas saiam menos do seu bairro e, assim, repensem também o uso do carro. Ainda segundo o levantamento, a vizinhança com mais comércios e serviços também passou a ser considerada importante ou muito importante para mais de 60% do público entrevistado.
Uma boa alternativa para quem sente na pele essas necessidades e decidiu comprar uma casa maior ou trocar o carro por um modelo superior é o consórcio. Essa modalidade de compra costuma sair mais em conta do que os financiamentos e pode ser realizada com tranquilidade e segurança.

Por meio do consórcio, é possível comprar um bem sem precisar de entrada – uma grande vantagem principalmente para quem busca adquirir um imóvel, já que os financiamentos desse tipo costumam exigir um alto valor de entrada para aprovação do crédito.
Outro benefício do consórcio é a ausência de juros. As parcelas mensais são compostas apenas pelo valor do fundo comum e por taxas para o pagamento de administração, fundo reserva e seguro – custos importantes para garantir a segurança do negócio.
Outras opções
E não é somente para a aquisição de carros ou casas que o consórcio pode ser feito. Esse tipo de negócio também pode ser utilizado para serviços como a realização de uma festa de casamento, um intercâmbio, um procedimento cirúrgico ou uma viagem de férias.
As regras são muito semelhantes aos consórcios de imóveis ou consórcio de carros: a administradora reúne um grupo de pessoas interessadas em adquirir algo em comum, e cada um vai pagando suas parcelas da “poupança coletiva”. Os participantes também podem realizar lances para conseguir de forma mais rápida a carta de crédito.
Outra modalidade que tem ganhado cada vez mais adeptos é o consórcio para máquinas e equipamentos agrícolas. O sistema conta com várias opções de crédito, prazos e parcelas que cabem no orçamento do consorciado, ajudando produtores a modernizar e aumentar seus negócios.

Para tirar as dúvidas e conhecer todas as possibilidades, a recomendação é entrar em contato com uma administradora e colocar os custos na ponta do lápis.

Fonte: G1 Globo