O caso de maior repercussão no ano de 2019 concluí um mês nesta terça-feira, dia 29 de outubro e, até hoje, a polícia civil não apresentou um inquérito sobre a morte do Engenheiro Flávio, morto após (ou durante) uma “festinha” na casa do filho da primeira dama de Manaus, Alejandro Valeiko.

A primeira versão apresentada pelos envolvidos na morte de Flávio, dizia que a casa teria sido invadida por homens mascarados e o engenheiro sequestrado, versão essa descartada desde o início pelo síndico do condomínio, que garantiu que a casa não foi invadida e só entraram pessoas autorizadas, o que foi comprovado após analise das imagens das câmeras de segurança. Em seguida, depois de toda a população assistir as controvérsias sobre essas e outras versões, foi expedido o mandado de prisão de Alejandro Valeiko e mais cinco envolvidos no caso. Na primeira semana foi dito a imprensa que o caso estava elucidado e o inquérito seria apresentado até a sexta-feira (4 de setembro), prazo esse que prorrogado até os dias atuais.

Mayc Vinicius Teixeira Parede que confessou ser o autor no crime, não convenceu ninguém com a sua confissão, conflitando com demais depoimentos, sem apresentar provas ou sequer coerência que o levasse a autoria na morte de Flávio. Familiares e amigos, assim como toda a população que assistiu o “desenrolar” do caso, aguardam ansiosamente por casa capítulo e, como previsto, já estão se fatigando com tanta espera. A pergunta que não quer calar: Até quando? Afinal, o porquê de tanta demora, todos já sabem.