A Gazeta conversou com Paula Viana, enfermeira obstetra e coordenadora de ONG feminista que acompanha o caso e dá suporte emocional à criança; o acusado foi preso nesta terça-feira (18).

A menina de apenas dez anos que engravidou após ser estuprada pelo tio em São Mateus está alegre, feliz após o procedimento de aborto e aliviada com a prisão do agressor. A reportagem de A Gazeta conversou com Paula Viana, enfermeira obstetra e uma das coordenadoras da ONG feminista pernambucana Grupo Curumim, que acompanha o caso e tem dado apoio emocional à criança. De acordo com Paula, a menina ficou aliviada ao saber da prisão do tio, que foi detido na madrugada desta terça-feira (18) em Betim, em Minas Gerais.

Como ela está?

A menina está bem após o procedimento, está passando bem, com um semblante tranquilo, parece muito tranquila mesmo. Muitas vezes senti ela aliviada, ela recebeu muitos presentes. Hoje estava alegre, uma coisa que eu não tinha visto ainda: ela sorrir. Hoje ela sorriu.

Ela tem consciência do aborto?

Ela tem consciência, mas não sei se é consciência como a nossa. Não sei se podemos dizer que ela tem a consciência de um adulto, ela é uma criança, mas sabe o que se passou. Inclusive a avó ressaltou muito isso. Quando falava no assunto (da gravidez), ela ficava desesperada, dizia que queria tirar. A avó muito segura das decisões também. Não sei se podemos dizer consciência porque aí vamos comparar conosco, adultos. Mas sim, ela sabe o que passou e o que está passando.

Ela já expressou alguma vontade de brincar/fez algum pedido depois do procedimento?

No primeiro dia, ela disse que queria ficar boa logo porque queria voltar a jogar bola. Ela está comendo muitos doces, chocolates que ganhou, bombons. Toda vez que chego lá ela está bem alegre comendo os doces.

Ela sabe que o tio foi preso?

Hoje vi a avó dela comentando que ela sabia que o tio tinha sido preso, e ela ficou muito aliviada. Ela disse: “Ainda bem que meu avô vai ficar livre”. Ela tinha medo que o tio matasse as pessoas da família porque ele a ameaçava. Ela ficou bem aliviada.

Vimos que ela chegou ao hospital pelo porta-malas…

Eu estava na comitiva que acompanhou a chegada dela, no aeroporto, e achamos melhor fazer isso. Antes de chegar na maternidade, soubemos que tinha uma aglomeração hostil e violenta. A solução foi colocá-la no porta-malas de um carro grande. Foi muito constrangedor, mas foi a forma segura que encontramos para que elas não fossem vistas. Então entramos pela porta lateral da maternidade nos livrando do assédio e da hostilidade desse grupo. Toda equipe do hospital. Ela está sendo acompanhada por uma equipe multidisciplinar que tem experiencia de 24 anos de trabalho nesse campo. Não é um serviço novo. Infelizmente, casos como o dela são comuns.

Vimos que ela ganhou alguns presentes. Como foi a reação?

De manhã, quando cheguei, ela olhou para mim e mostrou todos os presentes. Ela estava muito feliz. Em um momento ficava meio calada, olhando para o nada, outra hora ela interagia, pedia um presente, sorria… Coisa que eu não vi ela fazendo desde o início.

GRUPO CURUMIM

O Grupo Curumim é uma organização feminista de Pernambuco, parceira do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros – CISAM, que é um hospital universitário da região. O hospital conta com um Serviço Pró-Marias, que é um serviço de atendimento a mulher vítima de violência, e o serviço existe há 24 anos. “O movimento da mulher sempre foi parceiro desse serviço colaborando com situação do profissional, com mobilização e apoio. Nesse caso da menina foi solicitado pra gente esse apoio dada a delicadeza do caso”, disse a profissional.

ACUSADO JÁ DEU ENTRADA EM PRESÍDIO

Acusado de estuprar e engravidar a sobrinha de apenas dez anos, o tio da vítima deu entrada no sistema prisional capixaba por volta das 19h desta terça-feira (18). Ele ficará detido em uma unidade destinada à custódia de autores de crimes sexuais, na Penitenciária de Vila Velha V, que faz parte do Complexo de Xuri.

As informações foram passadas pela Secretaria Estadual de Justiça (Sejus), por meio de nota, após questionamento de A Gazeta. Responsável pela administração dos presídios do Espírito Santo, a pasta garantiu que “os procedimentos adotados seguem o previsto em portaria e na lei de execuções penais”.

Foragido desde o último dia 12 de agosto, o homem de 33 anos acabou detido durante essa madrugada na cidade de Betim, em Minas Gerais. De acordo com a Polícia Civil, ele estava na casa de parentes e se entregou com medo de ser linchado. Nessa tarde, ele foi encaminhado ao Departamento Médico Legal (DML), em Vitória.

O caso veio à público no último dia 9 de agosto, quando a menina se dirigiu a um hospital estadual em São Mateus. Grávida devido aos estupros, a vítima contou que era abusada há quatro anos. Levada para o município de Recife (PE), a criança teve a gravidez interrompida no último domingo (16).

Fonte: A Gazeta