O deputado federal, Marcelo Ramos PR – Partido da República, publicou no último domingo (10), um artigo com o título “Um silêncio ensurdecedor,” onde destaca os primeiros dias de trabalho na Câmara dos Deputados Federais e sua nova rotina de vida em Brasília. Marcelo relata que busca orgulhar o povo amazonense com uma postura transparente dos atos, por isso vem mostrando no dia a dia através das redes sociais. E ressaltou que o maior desafio tem sido enfrentar o silêncio ao voltar para casa, longe dos filhos e de toda a família.

Marcelo Ramos é umas das figuras públicas de grande destaque no cenário político amazonense e além de deputado federal, também é advogado, professor, escritor e tem publicado artigos pessoais semanalmente.

Leia na íntegra:

Um silêncio ensurdecedor.

Cumpri minha primeira semana no mandato de deputado federal, recebido com muita honra pela vontade do soberana do povo do Amazonas.

Desde os primeiros dias procuro orgulhar nossa gente com uma postura transparente nos atos, combativa na defesa dos interesses do Amazonas e me dedicando intensamente a missão.

Em poucos dias articulei reunião com o Ministro da Infraestrutura com a participação dos governadores e bancadas de AM, RR, RO e AC onde recebemos o compromissos de esforços do governo pela recuperação da BR-319; apresentei Projeto de Resolução para acabar com todos os votos secretos da Câmara e anuncie o Projeto da Bioindústria da Amazônia facilitando o ambiente de negócios para uma indústria identificada com nossas vocações naturais.

Além disso, pude presidir a sessão da Câmara dos Deputados o que fez os amazonenses sentirem-se honrados e orgulhosos.

Vou seguir dedicando o melhor de mim para exercer um mandato que possa influenciar os grandes debates nacionais, sem deixar de olhar nos olhos e apertar as mãos do trabalhador amazonense numa feira, terminal de ônibus ou num sinal de trânsito.

Mas tem um outro lado que também tentei mostrar nesses primeiros dias da vida em Brasília. A mudança na vida, a nova morada, a nova rotina, a saudade de casa e a novidade do silêncio ensurdecedor quando volto pra casa.

O silêncio tem sido a marca mais dura dessa mudança.

Nas duas últimas semanas que passei em Brasília todos os dias que cheguei ao apartamento, depois de longos dias de trabalho, esperei os gritos, choros e brincadeiras barulhentas da Marcela e do José Umberto.

Aprendi o quanto faz falta o barulho que as vezes nos incomoda em casa quando chegamos pra descansar, fazer um trabalho que restou, ler ou ver TV. Aprendi que a falta disso produz um silêncio ensurdecedor, também chamado de saudade.

Que Deus me dê sabedoria e humildade pra exercer o mandato e paz de espírito, resiliência e força pra conviver com essa saudade.