‘Cunhaporanga’, como é conhecida Maira Godinho, de 21 anos, acumula seguidores publicando vídeos curtos que explicam como é o dia a dia em uma comunidade indígena

A jovem amazonense Maira Gomes Godinho, de 21 anos, sob o nome indígena Jūgoa, tem conquistado grande visibilidade na plataforma de vídeos curtos virais ‘TikTok’. Até o momento da publicação desta matéria, o perfil da “Cunhaporanga”, como ela é conhecida nas redes sociais, reúne mais de 1,8 milhão de seguidores. O perfil de Maira já conquistou, inclusive, o selo de verificação da plataforma.

Em entrevista para A CRÍTICA, Maira conta que se sente muito feliz por ter conquistado esse alcance em pouco tempo de uso.

“Eu tenho muito a agradecer pelo incentivo e carinho de todos que me seguem. Estou muito feliz por ter sido verificada na plataforma do Tik Tok. Em especial ao ‘DinoSonso’, que sempre me dá várias dicas de como postar os vídeos e outros usuários também. Estou muito agradecida de coração. Vou continuar postando vários vídeos incríveis e pretendo crescer muito”, contou Maira, que conta inclusive com um filtro só dela na plataforma. O efeito de vídeo faz com que, ao gravar, o usuário fique com as pinturas faciais iguais as da jovem indígena.

Em seus vídeos, Maira costuma mostrar como é a rotina da sua família que mora na comunidade Tatuyo, localizada na margem direita do Rio Negro, próximo a cidade de Manaus. A jovem relata os momentos de refeição com pratos típicos indígenas; de trabalho, na confecção de artesanatos, no manejo de agricultura, entre outras atividades diárias.

“Já sou formada no ensino médio. Ainda não possuo faculdade. Porém, eu ajudo os meus pais nas plantações, posso dizer que sou agricultora e artesã. A comunidade Tatuyo é um ponto turístico, cada família produz seu artesanato, vende e guarda seu dinheiro e aí quando precisar de alguma coisa só ir na cidade e comprar”, detalhou Maira.

Uma das principais dúvidas dos seguidores de Maira é sobre como ela possui conexão com a internet no local onde mora.

“Nós usamos os chips nos celulares, mas fica sem serviço o tempo todo. Meu irmão mandou instalar uma antena via satélite que é o roteador wi-fi, para isso temos que pagar um serviço mensalmente, dessa forma temos acesso às redes sociais. Nós também já temos energia elétrica na nossa região, então podemos recarregar os nossos aparelhos celulares. O problema é quando chove forte e caem galhos de árvore nos fios”, explica.