Benefício pago pelo Governo Federal durante a pandemia será encerrado em dezembro. O montante tem sido a saída para muitas pessoas conseguirem pagar dívidas e comprar mantimentos

Com os ciclos de crédito em conta e saques em espécie do auxílio emergencial concedidos até dezembro, centenas de amazonenses já demonstram preocupação quanto ao fim do benefício oferecido durante a pandemia do novo coronavírus pelo Governo Federal.

Para famílias que não tem o acesso ao Programa Bolsa Família, o auxílio emergencial tem sido a saída para pagar as contas e garantir o rancho do mês como é o caso da dona de casa Juliete Rodrigues Castro, de 39 anos. Atualmente desempregada, ela precisa ainda comprar itens para o neto de um ano.

É muito necessário por que não estou trabalhando. Com esse dinheiro, eu compro só o necessário mesmo como o rancho e as fraudas do bebê de um ano”. A aproximação do término do benefício assusta a doméstica que mora com as duas filhas e o neto no bairro Cidade de Deus, zona Norte de Manaus.

“Eu não tenho nem ideia o que vamos fazer quando terminar esse auxílio. A gente espalha currículo e não tem oportunidade. Então, é difícil emprego e o que ainda consigo é um bico por R$ 100 e assim vamos nos virando”, comentou. A realidade também é parecida para o autônomo Adriano Ferreira de Araújo, 33, quem também trabalha de maneira avulsa.

“A gente conseguiu comprar o que era muito necessário como eletrodomésticos e o básico como alimentos. Quando acabar o auxílio, a gente tem que buscar outros recursos né?, como um emprego fixo por que atualmente, eu trabalho fazendo bicos”, destacou.

Para a dona de casa Lucicleia Cavalcante da Cunha, 60, a prioridade é o pagamento de contas. “Preciso pagar a luz, a água e o que sobra a gente compra de alimento. O auxílio tem ajudado muito”.

Estes e outros amazonenses sacaram ou transferiram, neste sábado, mais uma parcela do auxílio emergencial nas agências bancarias da Caixa Econômica Federal de Manaus. No total, 770 agências, em todo o Brasil, estiveram abertas para o pagamento a 9 milhões de beneficiários do auxílio emergencial e do saque emergencial do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Os recursos, que já estavam disponíveis desde o dia 11 de setembro para movimentação digital por meio do aplicativo Caixa Tem, puderam ser sacados em espécie.

No total, foram creditados R$ 5,8 bilhões para pagamento dessas pessoas, nas respectivas poupanças sociais da Caixa. Até o dia de hoje, foram pagos R$ 218,3 bilhões do auxílio para 67,7 milhões de brasileiros, somando 324,5 milhões de pagamentos.

Fonte:A crítica