Os 34 anos de trabalho no Judiciário Amazonense, do desembargador Ernesto Anselmo Queiroz Chíxaro, foram reconhecidos por meio da maior honraria da Assembleia Legislativa do Amazonas, a Medalha Ruy Araújo.

A proposta de autoria do deputado Roberto Cidade (PV) foi aprovada por unanimidade e entregue na tarde desta quinta-feira, 03, em Sessão Especial no plenário da Casa Legislativa.

Nascido em Humaitá (município localizado a 696 quilômetros da capital), Ernesto Anselmo se formou em direito pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam) em 1983. Em 1986, foi aprovado para exercer a função de juiz. Como magistrado, atuou nas comarcas de Lábrea, Tapauá e Itacoatiara.

Ao receber a maior comenda da casa legislativa e que é dedicada a quem se distingue por seus méritos no meio político, jurídico ou cultural, o desembargador disse que a homenagem o encoraja ainda mais há continuar o trabalho pelo povo do Amazonas .

“Recebo com muita gratidão essa comenda. Me sinto muito lisonjeado e isso, só nos encoraja a continuar nosso trabalho, servindo o povo amazonense. Espero retribuir da melhor maneira possível essa distinção que a mim foi confiada”, ressaltou o desembargador.

Autor da propositura, o deputado estadual Roberto Cidade fez questão de ressaltar a carreira de Chíxaro. De acordo com o parlamentar, a humildade e a carreira marcada sempre por decisões éticas, tornam a homenagem ainda mais valiosa.

“Hoje é um dia que vai ficar marcado na história desse parlamento e do estado do Amazonas. O desembargador atuou em vários municípios do interior do Amazonas. Contribuiu e continua contribuindo com o o nosso estado. Então, como deputado estadual, jamais poderia deixar de reconhecer os relevantes serviços prestados ao povo do Amazonas”, pontuou Roberto Cidade.

O presidente da Casa, deputado Josué Neto (PSD), parabenizou o homenageado e lembrou da boa relação entre o parlamento e o judiciário.

Serafim Corrêa (PSB), que falou em nome dos deputados, ressaltou a humildade e simplicidade do homenageado, relembrando a Banda da Bica.

“O desembargador tem muitas qualidades, mas quero ressaltar uma que conheço bem de perto, é a sua simplicidade. Há 30 anos ou mais, quando do fundação da Banda da Bica; falo aqui como biqueiro. E ele como juiz frequentava o Bar do Armando, e foi galgando outras posições e chegou a desembargador e continua frequentando o mesmo bar, com os mesmos amigos e não mudou seu jeito”, destacou Serafim ao lembrar da brilhante carreira do desembargador no judiciário amazonense.

Fotos: Evandro Seixas/Divulgação