Vídeo mostra caminho até o templo, a chegada ao local e os primeiros tiros contra fiéis. Ao menos 49 pessoas morreram em dois atentados simultâneos.

Um dos atentados que deixaram ao menos 49 mortos em duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia, foi parcialmente transmitido ao vivo pelo Facebook pelo próprio atirador. Os templos de Masjid Al Noor — onde morreram 41 das 49 vítimas — e Linwood sofreram ataques simultâneos por volta das 13h40 desta sexta-feira, 15 (noite de quinta no Brasil).

As imagens circularam amplamente nas redes sociais, mesmo com a remoção do perfil que as publicou pouco depois do atentado. Aparentemente feito por um dos atiradores, o vídeo mostra o caminho até a mesquita de Al Noor, a chegada ao local e diversos disparos que atingem pessoas aleatoriamente.

A filmagem online, cuja captura pareceu ser de uma câmera presa à cabeça do autor, começa com ele dirigindo enquanto ouve música. Após estacionar, o homem pega duas armas e anda uma curta distância até a mesquita. Durante cinco minutos, ele atira repetidamente em fiéis, deixando mais de uma dúzia de corpos em apenas um cômodo. Ele retorna ao carro para trocar de arma e depois volta para a mesquita para aparentemente atirar em vítimas que mostrassem sinais de vida. O vídeo mostra ainda os fiéis, tanto os possivelmente mortos quanto os feridos, encolhidos no chão.

Só pode ser descrito como um ataque terrorista’

A Nova Zelândia declarou seu mais alto nível de segurança logo após a polícia ser notificada da ação dos atiradores. Quatro pessoas foram presas, entre elas uma mulher, mas posteriormente o número de detidos foi corrigido para três. Todos tinham opiniões extremistas, mas não estavam em nenhuma lista de observação da polícia, segundo a primeira-ministra Jacinda Ardern.

“Esse é um dos dias mais sombrios da história do país. Esse tipo de violência não tem lugar na Nova Zelândia, é um ato sem precedentes”, disse Ardern em coletiva de imprensa. “Está claro que isso agora só pode ser descrito como um ataque terrorista”, completou.

Entre os presos está um homem de 30 anos que foi acusado de homicídio. Ele vai comparecer a um no tribunal no sábado. A seleção de críquete de Bangladesh, que estava chegando para orações em uma das mesquitas quando os tiros começaram, conseguiu se salvar. Todos os membros do time estão em segurança, disse o treinador.