Estudo aponta que 40% dos pacientes relatam que condição agravou após infecção pelo coronavírus; distúrbio auditivo afeta cerca de 15% da população mundial.

Cientistas investigam possível ligação entre a Covid-19 e o zumbido no ouvido. O problema auditivo costuma ser desencadeado por estresse ou depressão, por exemplo, mas uma pesquisa feita pela universidade britânica Anglia Ruskin sugere que a infecção pelo coronavírus possa piorar a condição. O estudo analisou mais de três mil pacientes em 48 países, sendo que 40% deles relataram que o zumbido agravou depois de ter tido a doença. Uma pequena parcela disse ainda que o ruído surgiu com os sintomas da doença. A médica otorrinolaringologista Tanit Sanchez diz que muitos dos pacientes relacionam o distúrbio com a infecção pelo coronavírus. A especialista explica que, na maioria dos casos, o zumbido é diagnosticado por consequência de algum grau de perda de audição. “E a gente se pergunta o que causou a perda e uma das causas de perda auditiva é a infecção de um modo geral, desde a gripe, catapora, meningite. Várias infecções virais ou bacterianas podem causar uma perda auditiva ou zumbido como consequência e a Covid-19 também”, disse. A médica ressalta que se o zumbido for uma sequela da Covid-19, é necessário tratamento em conjunto com os demais nervos do olfato e do paladar, não isoladamente. O zumbido nos ouvidos é um distúrbio que afeta cerca de 15% da população mundial. O problema auditivo não é listado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como sintoma da infecção pelo coronavírus.

Fonte: JP Noticias