Presidente da Ucrânia voltou a pedir ajuda dos EUA para fortalecer suas tropas contra a Rússia, que frustrou as possibilidade de diminuição do conflito, como prometido em última negociação de paz.

Horas depois que as forças do Kremlin renegaram a promessa de reduzir algumas de suas operações, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse que a defesa de seu país contra a invasão da Rússia está em um “ponto de virada”. A declaração foi dada em um pronunciamento noturno à nação. Durante a fala, Zelensky também voltou a pressionar os Estados Unidos por mais ajuda no conflito bélico. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), o número de refugiados da Ucrânia continua a crescer desde o início do conflito, em 24 de fevereiro, e já passa de 4 milhões de pessoas.

Zelensky falou diretamente ao presidente dos EUA, Joe Biden: “Se realmente estamos lutando pela liberdade e pela defesa da democracia juntos, temos o direito de exigir ajuda neste difícil momento de virada. Tanques, aeronaves, sistemas de artilharia. A liberdade não deve ser armada pior do que a tirania”, disse Zelenskyy em seu discurso feito em pé, no escuro, do lado de fora dos escritórios presidenciais mal iluminados, em Kiev. Ele ainda agradeceu aos EUA por mais US$ 500 milhões em ajuda que foi anunciado na quarta-feira.

O bombardeio russo de áreas ao redor da capital ucraniana de Kiev e da cidade de Chernihiv, no norte do país, além da intensificação dos ataques em outras regiões derrubaram as esperanças de progresso para acabar com o conflito. Em último encontro para negociação de paz, a Rússia havia prometido reduzir ataques, mas não cumpriu sua promessa. Para esta quinta-feira, 31, ambos os lados do conflito prometeram tentar outra evacuação de civis da cidade portuária sitiada de Mariupol, no sudoeste da Ucrânia.

Fonte: JP Notícias