Rodrigo Luiz Parreira, Charles Wender Oliveira Souza e Daniel Rodrigues de Oliveira foram detidos em flagrante, mas acabaram sendo liberados.

Um vídeo compartilhado nas redes sociais mostra o momento em que os autores do ataque ao público do evento com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na última quarta-feira (15/6), em Uberlândia (MG), operava o drone. O aparelho jogou um líquido malcheiroso durante o lançamento oficial da aliança entre o petista e Alexandre Kalil, pré-candidato ao governo mineiro.

Rodrigo Luiz Parreira, Charles Wender Oliveira Souza e Daniel Rodrigues de Oliveira foram detidos e liberados após assinar um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). Os detidos negaram o uso de fezes e urina durante os ataques.

No vídeo, um dos três homens afirmou que eles estavam jogando “veneno” no público do evento: “Na hora que acaba o veneno, apita?”, pergunta um deles.

Em outro trecho, um suspeito afirma que “só dois litros” da substância haviam sido despejados.

Veja vídeo:

https://www.tiktok.com/music/som-original-7109663795286510341?referer_url=https%3A%2F%2Fwww-metropoles-com.cdn.ampproject.org%2Fv%2Fs%2Fwww.metropoles.com%2Fbrasil%2Fvideo-operador-de-drone-diz-que-jogou-veneno-em-evento-de-lula-em-mg&referer_video_id=7109663805071789318&refer=embed

A Polícia Militar e o partido não fizeram estimativa de público no evento.

De acordo com relatos, algumas pessoas tentaram jogar paus e pedras no drone, mas foram alertados pela segurança de que a atitude colocava em risco os demais participantes do evento.

Apreensão

O drone usado no ataque custa mais de R$ 90 mil e, segundo a polícia, o grupo não tinha autorização para operá-lo. O equipamento foi apreendido.

De acordo com o jornal O Tempo, o equipamento apreendido será encaminhado ao Ministério Público Federal (MPF) para investigação.

Questionado sobre o motivo do pedido, o MPF ainda não se manifestou. O espaço permanece aberto.

Ações

O PT estuda ações contra as três pessoas que atacaram os apoiadores do ex-presidente Lula.

A sigla quer que os autores do ataque sejam indiciados por lesão corporal.

Lideranças do partido em Minas dizem que estudam junto com o jurídico da sigla a possibilidade de processar civil e criminalmente os envolvidos no assunto, tanto em nível estadual quanto federal.

Fonte: Metrópoles