Embora países no velho continente tenham reaberto as fronteiras, ainda é necessário manter o estado de alerta.

Depois de um ano e meio de pandemia, muitos países da Europa começaram a reabrir para turistas. Com o avanço da vacinação, tanto lá, como aqui, muitas pessoas voltaram a sonhar com uma viagem para o velho continente. Mas novas regras de entrada, exigências que mudam toda hora e custos extra como exame de Covid-19 para embarcar de volta, ainda assustam. Afinal, vale a pena viajar para Europa agora?

Antes de mais nada, vamos tirar o elefante da sala: sim, o Euro está caro. Caro não, caríssimo! Mas será que algum dia ele vai baixar? Uma coisa é certa: se você ficar esperando pode estar perdendo uma oportunidade única de visitar uma Europa mais tranquila, com menos turistas e preços (em euro) mais baratos.

Hotéis mais baratos

Viajar para Paris durante o verão e procurar hotéis com antecedência de 10 dias seria loucura em qualquer outro ano. Geralmente encontraria opções ruins e preços altíssimos. Mas não foi isso que eu vi.
Consegui reservar um hotel 3 estrelas por cerca de 80 euros no 10º arrondissement, perto de uma estação de metrô e de duas estações de trem. Para minha surpresa as opções nessa faixa de preço eram várias, todas em boas regiões. E se tivesse optando por ficar mais afastado (como em La Defense, por exemplo), poderia ter economizado ainda mais.

Passagens mais baratas

Aqui no Melhores Destinos a gente acompanha o preço das passagens todos os dias e eu posso afirmar com toda certeza: as passagens para a Europa estão baratas!
Só no último mês nós tivemos Barcelona por R$ 1.968, Lisboa por R$ 2.036 e até promoção de passagem executiva, com preços a partir de R$ 4.897.
Se parece que estão no preço que sempre estiverem, lembre-se que o Euro custava R$ 4,45 em 2019 e hoje custa R$ 6,35, um aumento de 42%. Se olharmos para os preços das passagens em dólar, veremos que nunca estiveram tão baixos, e essa é uma oportunidade que não deve durar muito tempo. Na medida em que os voos forem enchendo, as companhias aéreas vão buscar repor as perdas que tiveram na pandemia.

Menos turistas

A aceitação das vacinas Sinovac (Coronavac) e Sinopharm, amplamente aplicadas na Ásia e em outras partes do mundo, ainda é pequena na Europa. Como ainda não foram aprovadas pela Agência de Medicamentos Europeia, somente alguns países optaram por aceitar turistas vacinados com elas. Além disso, diversos países atualmente impõem restrições para que seus cidadãos realizem viagens de turismo ao exterior.
O resultado são menos turistas, ruas mais tranquilas e atrações mais vazias, mesmo as que estão operando com a capacidade reduzida. Antes da pandemia um dos assuntos mais debatidos na Europa era o “overtourism” (turismo em excesso), que estava prejudicando a qualidade de vida de quem mora e quem visita as principais cidades turísticas. Pelo menos por enquanto isso deixou de ser um problema.

Novas regras e restrições

Sim, nem tudo são flores. Hoje em dia viajar requer um planejamento mais minucioso, onde é necessário checar não só as regras de entrada, como por exemplo quais vacinas são aceitas ou se precisa apresentar exame de Covid-19, mas também as regras de circulação, como a exigência de passaportes de vacina para entrar em atrações e restaurantes (como é o caso da França, com o seu Pass Sanitaire).

Mas essa vai ser a realidade do turismo por um bom tempo. A exigência da apresentação do comprovante de vacina tem se mostrado eficaz para os países que adotaram este sistema. E vai se tornar tão automática como checar se determinado país precisa de visto ou de comprovante de vacinação contra febre amarela.
Já as regras de circulação estão mesmo mais complicadas neste momento. Eu cheguei bem no início da exigência de apresentar o Pass Sanitaire para entrar nos lugares fechados na França e não recebi o documento a tempo da viagem. Por sorte isso não prejudicou em nada a viagem e meu comprovante de vacinação emitido pelo ConecteSUS foi aceito sem qualquer problema.

Mas hoje o sistema francês já evoluiu e ficou mais simples fazer o pedido. Ainda pode melhorar, claro, mas essa parece ser uma tendência que será adotada por boa parte dos países: criar mecanismos de validação dos certificados de vacinação do mundo – outra iniciativa bem interessante nesse sentido é o IATA Travel Pass.
Nós aqui no Melhores Destinos estamos sempre atentos a estas mudanças, publicando sempre que elas ocorrem. Se você pesquisar aqui no site sobre o seu destino, certamente vai encontrar a informação que precisa – e se não encontrar, pode perguntar que a gente sempre tenta ajudar vocês, nossos leitores.
Um exemplo disso é a notícia que divulgamos recentemente que agora os passageiros com destino ao Brasil podem apresentar optar por apresentar no check-in exame RT-PCR ou o teste de antígeno, o que ajuda a baratear a viagem.

Fonte: Melhores Destinos