Os brasileiros estão proibidos de entrar na  União Europeia por causa pandemia de coronavírus, que ainda assola o Brasil. A decisão foi tomada hoje (29/06), pelos membros da UE e afeta diretamente milhares de brasileiros que pretendiam viajar a turismo para Europa nos próximos meses.

Embora a decisão tenha proibido a entrada de brasileiros, outros países onde o coronavírus está mais controlado, receberam permissão para entrar na UE. É o caso de Argélia, Austrália, Canadá, Coreia do Sul, Geórgia, Japão, Marrocos, Montenegro, Nova Zelândia, Ruanda, Sérvia, Tailândia, Tunísia e Uruguai, onde o Covid-19 apresenta baixos níveis de contaminação da população.

O Brasil entrou na ‘lista negra’ da União Europeia por causa da situação da pandemia , que continua “muito preocupante”, segundo divulgou hoje a Organização Mundial da Saúde. Além do Brasil, outros países como Rússia, Estados Unidos, Arábia Saudita e Turquia enfrentam restrições da UE.

No caso de Mônaco, San Marino, Adorra e o Vaticano, que estão na Europa, mas não integram a UE, terão a entrada liberada de seus cidadãos.

Embora a China tenha controlado o Covid-19, a entrada de viajantes chineses dependerá do princípio da reciprocidade, ou seja, a permissão será dada aos países cujos residentes tenham entrada autorizada na nação asiática.

Os membros da UE explicam que as medidas adotadas nesta segunda-feira, serão revisadas a cada duas semanas. As restrições não se aplicam a estudantes, trabalhadores sazonais, passageiros em trânsito, refugiados e familiares de residentes, entre outras exceções.

Como a gestão de fronteiras é uma competência nacional, e não da União Europeia, os países podem recusar a entrada de residentes de alguns dos 14 integrantes da lista, mas se comprometeram a não aceitar nacionais de outros Estados.

Para montar a lista, os membros da UE seguiram critérios epidemiológicos como a curva do contágio no país e o número de novas contaminações. Também levaram em conta a confiabilidade dos números de cada país, a capacidade de testes e as regras de prevenção em vigor.