Fechada para atividades turísticas desde o dia 21 de março, Fernando de Noronha (PE) deixou de ser um dos roteiros mais procurados do Brasil. Diante da situação da ilha, os donos das pousadas e outros equipamentos turísticos estão se mobilizando para cobrar uma reposta do Governo de Pernambuco, que ainda não definiu data de retomada do Turismo. Desde o encerramento das atividades turísticas, cerca de 80% dos empregos foram perdidos no destino e muitas pousadas não conseguirão reabrir as portas.

“A situação é preocupante, estamos há cinco meses fechados, aumentando o endividamento. E o pior é que não temos uma data definida para a reabertura, precisamos nos programar para isso e os turistas também precisam de tempo para fazer suas reservas”, disse o presidente da Associação dos Locadores de Veículos de Fernando de Noronha, Nino Alexandre Lehnermann.

O conselheiro (equivalente ao vereador) da ilha, Aílton Júnior, pede que o governo estadual tenha sensibilidade e crie critérios para a volta das atividades turísticas, com uma reabertura segura. “O cenário é deprimente. Em virtude de 99% da economia da ilha girar em torno do turismo, já existem empresários, condutores, e pescadores em dificuldades profundas. Fala-se de reabertura agora em setembro, mas o que deixa todos apreensivos é exatamente isso, a falta de uma data certa para as vendas e adaptações necessárias à nova realidade”, ressaltou.

Nesta semana, foi anunciado o início da flexibilização da reabertura do Turismo da ilha. No primeiro momento, somente visitantes que já tiveram covid-19 poderão desembarcar no arquipélago a partir de 1º de setembro. A comprovação de que o turista já teve a doença será feita durante o processo de pagamento da Taxa de Preservação Ambiental (TPA), que agora só poderá ser feito online. De acordo com o administrador de Fernando de Noronha, Guilherme Rocha, as próximas etapas serão estudadas para dar continuidade à reabertura.

Fonte: Panrotas