Patroa de Mirtes Renata, mãe do menino que morreu após cair do 9º andar do prédio onde a mãe trabalhava, escreveu carta.

“Te peço perdão. Não tenho o direito de falar em dor, mas esse pesar, ainda que de forma incomparável, me acompanhará também pelo resto da vida. (…) Não há palavras para descrever o sofrimento dessa perda irreparável. Nunca, mas nunca mesmo, pude imaginar que qualquer mal pudesse acontecer a Miguel, muito menos a tragédia que se sucedeu”, escreveu Sarí Corte Real em trechos de uma carta a Mirtes Renata Santana, mãe de Miguel Otávio, 5 anos, que morreu na terça-feira (02/06) após ser deixado sozinho no elevador de serviço, subido ao 9º andar e caído do prédio, de uma altura de 35 metros.

“Como mãe, sou absolutamente solidária ao seu sofrimento. Miguel é e sempre será um anjo na sua vida e na sua família”, disse Sarí, que empregava Mirtes e Marta, vó do menino Miguel, como empregadas domésticas em sua casa em Recife. O texto foi revelado no início da noite desta sexta-feira (05/06) pelo advogado da mulher, que entregou o texto inicialmente à Globo de Pernambuco.

Sarí Corte Real chegou a ser presa, acusada de homicídio culposo do menino, mas pagou fiança de R$ 20 mil e foi liberada.

Leia a íntegra da carta de Sarí Corte Real:

“Como mãe, sou absolutamente solidária ao seu sofrimento. Miguel é e sempre será um anjo na sua vida e na sua família. Não há palavras para descrever o sofrimento dessa perda irreparável. Nunca, mas nunca mesmo, pude imaginar que qualquer mal pudesse acontecer a Miguel, muito menos a tragédia que se sucedeu.

Te peço perdão. Não tenho o direito de falar em dor, mas esse pesar, ainda que de forma incomparável, me acompanhará também pelo resto da vida. Estou sendo condenada pela opinião pública como historicamente outros foram. As redes sociais potencializam o ódio das pessoas. Tenho certeza que a Justiça esclarecerá a verdade.

Na nossa casa sempre sobrou carinho e amor por você, Miguel e Martinha. E assim permanecerá eternamente. Rezo muito para que Deus possa amenizar o seu sofrimento e confortar seu coração.”