A menina está grávida de oito meses e corre risco de morte junto ao bebê, segundo polícia.

Uma operação da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) prendeu um homem de 50 anos, suspeito de estuprar e engravidar a enteada, uma menina de 10 anos. O mandado de prisão foi cumprido na manhã desta quarta-feira (6), no bairro Gilberto Mestrinho, zona leste de Manaus.

O caso foi denunciado para a polícia em setembro deste ano, quando a mãe da criança descobriu a gravidez da filha. Os estupros aconteciam dentro da casa em que o suspeito vivia com a família, no bairro Colônia Antônio Aleixo.

A mãe teria desconfiado após o suspeito falar para ela levar a criança ao médico, pois percebeu que a barriga da menina estava inchada.

Ela levou a filha ao pediatra, que pediu o exame de ultrassom. A gravidez foi descoberta com 29 semanas. Atualmente a criança está com 32 semanas de gestação. Tanto a menina quanto o bebê, correm risco de morrer.

A mãe denunciou o padrasto imediatamente. No mesmo dia, o padrasto foi levado para a delegacia, ouvido e indiciado por estupro de vulnerável, mas estava fora da situação de flagrante. Ele foi preso nesta quarta-feira em cumprimento de mandado judicial.

A vítima tinha 7 anos quando o padrasto começou a conviver com a mãe. Em depoimento, a menina disse que, depois de completar 8 anos, o suspeito a teria estuprado em pelo menos quatro ocasiões, enquanto a mãe dela dormia ou estava fora da casa, além de sofrer abusos constantes.

Já o suspeito, em depoimento, confessou o crime, mas alegou que desde os 8 anos a menina o seduzia e disse que nunca a ameaçou.

“Apesar de crer que é um pouco difícil uma criança desenvolver uma gestação de tantas semanas sem que ninguém observe, não conseguimos identificar na mãe que ela fosse conivente ou omissa. Era uma mãe que trabalhava, que saía para faculdade, a criança ficava em casa. O que deu para entendermos é que, de fato, ela não percebeu, a criança não falava. Quando ela percebeu que a criança estava com o abdômen inchado, levou ao médico. Nunca passou pela cabeça dela que seria uma gravidez”, disse a delegada.

A menina de 10 anos está sob os cuidados do pai, até que a mãe resolvesse a saída do padrasto de casa, para que não convivessem mais juntos. A delegada disse que o desejo da mãe foi claro ao querer a prisão do abusador. A guarda da criança não foi retirada da mãe.

O suspeito possuía união estável com a mãe da criança e trabalha como serviços gerais de uma empresa terceirizada, dentro de uma escola municipal. Ele foi levado para a sede da DEPCA na manhã desta quarta-feira (6).

Fonte: G1 Amazonas