A Organização Mundial de Saúde (OMS) alerta que nove entre cada dez mortes por suicídio podem ser evitadas

Cuidar da saúde mental das pessoas, de todas as faixas etárias, em situação de vulnerabilidade e risco social, tem sido a tônica do Governo do Amazonas, visando reduzir problemas sociais relacionados a alta carga de estresse. Por meio dos Centros Estaduais de Convivência da Família e do Idoso, administrados pela Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas), são realizadas várias atividades socioeducativas com a comunidade visando reduzir problemas como depressão e outras doenças relacionadas, tais como a ansiedade, bullying, violência sexual e violência doméstica.

Neste mês de setembro, várias ações preventivas estão sendo preparadas para celebrar a Campanha Nacional Setembro Amarelo de conscientização e prevenção ao suicídio. Como os espaços tiveram um retorno gradual de suas atividades ao público, seguindo as orientações dos órgãos de saúde para garantir o bem-estar dos frequentadores e com isso evitar os riscos de contaminação pela Covid, a maior parte das atividades será virtual.

A programação consiste em lives de rodas de conversa com profissionais da área de saúde, como psiquiatra; vídeos para chamada de live na página do Facebook e distribuição de folders informativos e de fitas amarelas nos centros. Também serão realizadas peças teatrais em alusão à prevenção ao suicídio e caminhadas que seguirão o distanciamento social.

Idealizada pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM), o Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização ao suicídio, fomentando a prevenção e promoção da saúde mental. O mês foi escolhido em razão do Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio (10 de setembro).

A Organização Mundial de Saúde (OMS) alerta que nove entre cada dez mortes por suicídio podem ser evitadas. Por isso, é necessário estimular as pessoas a discutirem o problema para prevenir.

Segundo a psicóloga Ítala Rodrigues, o Setembro Amarelo tem o objetivo de levar as pessoas a conversarem sobre suicídio no seio familiar, a fim de que seus membros observem o que está acontecendo dentro de suas casas e evitem a efetivação de tragédias. Segundo a psicóloga, as famílias precisam ser sensibilizadas para a prevenção e deixar o tabu de lado. “Antes as pessoas tinham receio de falar sobre tema. Hoje tem que identificar o quanto antes, para que tragédias sejam evitadas”, disse.

Estresse – Segundo a psicóloga, a alta carga de estresse e a depressão, seguidas de agressividade, são sintomas de que a pessoa precisa de cuidados, e a família pode ajudar neste sentido procurando os canais competentes, caso contrário, a pessoa pode pensar que vai encontrar no suicídio um alívio para o que está sentindo. “Os números de suicídio no Brasil são alarmantes, portanto se faz necessário trabalhar para reduzir essas estatísticas”, frisou.

Na avaliação da diretora do Departamento de Proteção Social Básica (DPSB), Selma Melo, trata-se de uma campanha muito significativa, tanto é que os Centros Estaduais de Convivência da Família e do Idoso aderiram à Campanha de Prevenção ao Suicídio, a ser trabalhada por todo o mês de setembro, de forma presencial, nas abordagens e redes sociais, informando sobre cuidados necessários com os entes queridos e os canais de apoio e ajuda de profissionais especializados.

Selma Melo informa que os Centros estarão realizando atendimento psicossocial no decorrer do mês de setembro, de forma agendada. “Quem tiver necessidade desse atendimento, para si próprio, ou para um ente querido que esteja passando por problemas e conflitos com que muitas vezes não consegue lidar, pode procurar um Centro de Convivência da Família próximo de sua casa e marcar uma consulta com um profissional”, frisou.
Atividades dos centros – Acompanhe a programação do Setembro Amarelo nos sete Centros Estaduais de Convivência da Família e do Idoso, que têm como público-alvo a comunidade em geral, cujo objetivo é valorizar o sentido da vida coletiva por meio de ações de integração e troca de experiências entre os participantes.

Japiim – O Centro Estadual de Convivência da Família (CECF) 31 de Março, no Japiim, zona sul, vai promover um espaço de acolhimento e de compartilhamento de informações e experiências, no período de 16 a 18 de setembro, com grupos e alunos do Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam). A ideia é tratar a questão da prevenção ao suicídio.

Cidade Nova – O CECF Padre Pedro Vignola, na Cidade Nova, zona norte, realiza no período de 1º a 30 de setembro a distribuição de folder informativo sobre o Setembro Amarelo na área externa da unidade. No dia 9, será apresentado um vídeo musical com a participação dos alunos do Cetam. No dia 11, haverá uma live de Roda de Conversa com o tema “Falar é a melhor solução. Diga não Suicídio!”, com profissionais da área de saúde e o corpo técnico psicossocial da Seas e usuários do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) e CECF.

Alvorada – O CECF Maria de Miranda Leão, no bairro Alvorada I, zona centro-oeste, vai realizar uma live com a psicóloga Denise Machado Duram Gutierrez, tendo como mediadora a psicóloga Margareth Presa, no dia 11, às 10h, na Rádio Amme Eventos. O assunto abordado será prevenção e combate ao suicídio.

Mutirão – O CECF Teonízia Lobo, Mutirão, zona leste, vai fazer uma apresentação de teatro mudo abordando a prevenção ao suicídio e a atenção aos sinais que antecedem o suicídio. Também será feita a distribuição de fitas amarelas.

Raiz – No CECF André Araújo, na Raiz, zona sul, a programação consiste na campanha de prevenção e combate ao suicídio com a participação da equipe técnica do Centro, sensibilização junto à comunidade e alunos dos cursos de qualificação profissional. A abertura do Setembro Amarelo será na terça-feira (1º/09).

Santo Antônio – O CECF Magdalena Arce Daou, localizado bairro Santo Antônio, zona oeste, vai postar nos dias 10 e 11 de setembro vídeos abordando a temática sobre o Dia Mundial do Combate ao Suicídio; assim como relatos sobre a depressão e campanha interna de escuta ativa para usuários do centro.

Aparecida – O Centro Estadual de Convivência do Idoso (Ceci), no bairro Aparecida, zona sul de Manaus, vai realizar no dia 4 uma live em alusão ao mês de prevenção ao suicídio, com o tema “Falar de Suicídio não é Tabu”. O tema vai ser tratado pela psiquiatra Alessandra Pereira, que terá como mediadora a psicóloga Aparecida Oliveira.

ARTE: Divulgação