Especialista ensina a fórmula para quem quer ter os glúteos torneados e durinhos.

O belo corpo das brasileiras pode ser uma característica natural de algumas mulheres mas, infelizmente, nem todas são favorecidas com a genética do bumbum empinadinho. Mas isso não quer dizer que não exista uma forma de remediar e dar um “boost” na região.

Em entrevista ao Insider, a educadora física Jessica Mazzucco afirmou que o crescimento dos glúteos está associado a dois fatores: “Ativar os grupos musculares certos com exercícios adequados e consistentes e, é claro, ter uma alimentação capaz de auxiliar na construção de músculos”. Veja o passo a passo para resultados positivos nessa área com as dicas da personal treiner para quem quer ter o glúteo perfeito – e o melhor, sem qualquer procedimento cirúrgico!

Alongamento dinâmico e faixas de resistência para aquecer

De acordo com a especialista, o primeiro passo em um treino de glúteo é aquecer e “acordar” essa área.  O ideal é realizar alongamentos dinâmicos que possam promover o fluxo sanguíneo e preparar os ligamentos para os exercícios.  Com as faixas, faça exercícios como concha e a “caminhada de monstro”.

Faça movimentos compostos e agachamento com pesos

Nada como um bom agachamento para malhar os glúteos, melhor ainda se o movimento for acompanhado de pesos. A personal ainda indica o uso de barras, que têm o intuito de trabalhar todo o corpo, construir força e direcioná-los para a parte inferior.

Caso você não tenha um halter, substitua o equipamento por objetos mais leves. Outra alternativa é aumentar as séries de três para cinco.

Descanse e se alimente bem

“Se você deseja maximizar a força e os ganhos musculares, é importante adicionar períodos de descanso para que seus músculos possam manter a intensidade certa para o crescimento”, alerta Mazzucco. A recomendação é de que tenha um descanso de um a três minutos entre as séries.

A alimentação também deve acompanhar sua performance e objetivo, por isso, é de extrema importância obter calorias e carboidratos suficientes. “Muitas pessoas erroneamente comem pouco ao tentar obter ganhos, privando o corpo da energia de que ele necessita para construir músculos”, disse.

Fadiga? Ok! Dor excessiva? Não!

Um bom treino deve, sim, te desafiar e superar seus limites, mas não deixá-lo com dores que possam te impossibilitar de andar no dia seguinte. “Dor não é um indicador de um bom treino. Se você estiver dolorido, não será capaz de continuar fazendo os treinos e está atrasando os resultados”, alerta a especialista.

Malhe os glúteos ao menos 2x por semana

“Com descanso e nutrição adequados, você pode ver o progresso que deseja com um treinamento muscular localizado apenas duas vezes por semana”, disse Mazzucco. Mas caso haja tempo e você esteja respeitando os limites do seu corpo, a especialista considera “ok” progredir esse treino para três ou até quatro vezes por semana.

Fonte: Metrópoles