Cada vez mais comum nos restaurantes, os menus de temporada fizeram a cabeça dos chefs, entenda a razão.

Restaurantes ao redor do mundo costumavam ter famosos menus que se mantinham por toda sua história, medalhões que atraiam seus clientes para voltar sempre e encontrá-los lá. Isso foi mudando, atualmente praticamente todos as casas que adotam o sistema à la carte (ou seja, com empratados solicitados pelo menu) alteram cerca de uma vez ao ano seus produtos, mudando a maioria deles.

Já atualmente se utiliza dos chamados menus sazonais ou de temporada. Explicarei do que se tratam e porque eles são escolhidos e como funcionam.

O que são menus sazonais?

Em princípio, são apenas menus que se alteram ao longo do ano, ou seja, tem temporadas. Com o tempo, acabou abraçando também a sazonalidade dos ingredientes, passaram a utilizar produtos que estavam em sua maior estação (embora a maioria dos hortifrutis estejam disponíveis o ano todo).

Qual a vantagem para o cliente?

Primeiramente, o fator novidade. É sempre bom ver novas combinações inusitadas feitas pelo chef da casa.

Outra grande vantagem é o paladar, hortifrutis em sua época são extremamente mais saborosos que os cultivados ao longo do restante do ano. Ironicamente, nutricionalmente já foi comprovado que a diferença é desprezível.

Ou seja, no fim das contas temos pratos novos, sabores mais vivos e criatividade. Além de tudo, é possível experimentar iguarias que realmente só estão disponíveis em sua temporada, como é o caso da alcachofra fresca.

E para o estabelecimento?

Também tem vantagens, primeiramente deixa o chef sempre com a criatividade atiçada, isso motiva bastante.

Outro fator é o preço, os ingredientes em sua temporada ficam mais baratos, além de mais frescos, graças à alta disponibilidade no mercado.

Outra situação que parece boba, mas valoriza muito o trabalho do cozinheiro, são as cores dos produtos em suas estações, que são mais vívidas, ornando melhor os pratos. Além disso, as texturas são mais adequadas, pois os ingredientes estão mais frescos.

Por fim, a prática permite que se desenvolva a chamada cozinha de produto, tendência mundial que valoriza os ingredientes, passando pelo mínimo de processos possível.

Fonte: Metrópoles