O defensor atua na defesa do senador na investigação do esquema de rachadinha do ex-assessor.

O imóvel, em Atibaia (SP), onde Fabrício Queiroz foi preso é um escritório do advogado Frederick Wassef, de acordo com o Ministério Público de São Paulo. O defensor atua na defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) na investigação do esquema de rachadinha do ex-assessor.

O local onde Queiroz estava foi encontrado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de São Paulo (MPSP) que, com o apoio da Polícia Civil do estado, o prenderam na manhã desta quinta-feira (18/6).

O advogado Wassef é figura constante no Palácio do Planalto. Ele esteve, por exemplo, na posse do novo ministro de Comunicações, Fábio Faria, nessa quarta-feira (17/6).

O defensor também atua para o presidente Jair Bolsonaro no caso da facada recebida na campanha eleitoral por Adélio Bispo.

Queiroz preso

Fabrício Queiroz foi preso durante a Operação Anjo, deflagrada no início desta manhã de quinta, que cumpre ainda outras medidas cautelares autorizadas pela Justiça relacionadas ao inquérito que investiga a chamada “rachadinha”, em que se investiga se servidores da Assembleia Legislativa do Estado (Alerj) devolviam parte dos salários ao então deputado estadual Flávio Bolsonaro.

Segundo o processo, o antigo Conselho de Atividades Financeiras (Coaf) aponta que Queiroz teria movimentado R$ 1,2 milhão de forma atípica em sua conta. Em abril de 2019, a Justiça do Rio de Janeiro determinou a quebra do sigilo fiscal e bancário de Queiroz, do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), e de outras 84 pessoas e nove empresas entre 2007 e 2018.

Cartaz com ‘AI-5’ é encontrado em casa onde Queiroz foi preso

Um cartaz com o ‘AI-5’ , o Ato Institucional mais rigoroso da ditadura militar, foi encontrado em cima de uma lareira da casa em Atibaia, no interior de São Paulo, onde Fabrício Queiroz estava escondido quando foi preso pela Polícia Civil na manhã desta quinta-feira (18).

Cartaz com menção ao AI-5 (Ato Institucional número 5) e boneco do personagem Tony Montana, o chefe do tráfico no filme Scarface, são encontrados na casa onde Fabrício Queiroz estava em Atibaia — Foto: Reprodução/Divulgação/Polícia Civil

O Ato Institucional 5 foi assinado em 1968 e é considerado uma das principais medidas de repressão da ditadura. Entre as consequências dele estão o fechamento do Congresso Nacional E a retirada de direitos e garantias constitucionais dos cidadãos.

Segundo um policial que participou das buscas, o cartaz era usado como “enfeite”.

Ao lado do cartaz, foram encontrados bonecos que representam o mafioso Tony Montana, protagonista do filme “Scarface”.

O longa de 1983 dirigido por Brian De Palma e escrito por Oliver Stone, conta a história do cubano Tony Montana (Al Pacino), que recebe residência permanente nos Estados Unidos em troca do assassinato de um oficial do governo cubano. Em Miami, ele se torna chefe do tráfico de drogas, matando seus rivais. Usuário de cocaína, ele torna o principal traficante do estado da Flórida. Mas depois vê seu império ruir com a pressão da polícia.