O vereador de Manaus, Amom Mandel (Podemos), anunciou no mês de janeiro que realizaria um processo seletivo para formar a equipe de seu gabinete. Centenas de pessoas mandaram currículos para o vereador, que então informou aos candidatos que eles teriam que pagar R$ 35 para participar do processo seletivo.

A obrigação do pagamento irritou os interessados nas vagas de assessor parlamentar. Revoltados com a situação, dezenas de candidatos foram às redes sociais para reclamar do vereador.

Se a intenção de Amom era mostrar à sociedade que ele é um vereador de ideias novas, o tiro saiu pela culatra. O desgaste na imagem do parlamentar correu pelos grupos do whatsapp e nas páginas do Facebook e Instagram.

Eleitores de Amom se dizem “enganados” e “revoltados” com a decisão do vereador em cobrar a taxa de inscrição do processo seletivo.

Diante da barulheira que rodou a Internet, o vereador disse que “voltou atrás”. Amom argumenta que a cobrança da taxa serviria para custear o processo seletivo, como impressão das provas, aluguel do local para realização dos testes e a contratação de fiscais e da banca examinadora.

Mesmo com a decisão de cancelar a cobrança dos R$ 35, o vereador terá que correr atrás do prejuízo para recuperar a imagem desgastada pelo processo seletivo mal planejado.