Nível dos reservatórios da principal região geradora do país está aquém de 28% — patamar inferior ao registrado no racionamento de 2001.

O presidente da Eletrobras, Rodrigo Limp, não acredita na possiblidade de racionamento de energia ou apagão em 2021, apesar da crise hídrica histórica vivida pelo país. O nível dos reservatórios da principal região geradora de energia do país, a Sudeste e Centro-Oeste, está aquém de 28% — patamar inferior ao registrado no racionamento de 2001. No entanto, de acordo com Rodrigo Limp, a situação agora é bem diferente: o país está mais interligado, com mais linhas de transmissão e, ainda, a matriz energética brasileira foi mais diversificada desde aquele ano. O Brasil conta, agora, com volumes expressivos, geração de energia solar e eólica — fontes que não estavam disponíveis em grande volume no apagão de 2001.

Além disso, Rodrigo Limp diz que medidas preventivas que já foram adotadas pelo governo e pelo operador nacional do sistema, como a importação de energia do Uruguai e Argentina, a ampliação da geração térmica e a flexibilização de restrições hídricas, garantem que o país vai conseguir vencer esse período seco e de pouca chuva sem apagão ou racionamento. Na semana passada, a ONS emitiu um comunicado aos geradores de energia de todo o país fazendo um apelo para que paradas técnicas e de manutenção sejam suspensas e adiadas para garantir a plena geração de energia.

Fonte: JP Noticias