A Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf), entra na fase final da implantação de uma nova rede de drenagem, com aproximadamente 100 metros de extensão, no beco Tiradentes, bairro Japiim, zona Sul. A obra visa solucionar um problema antigo dos moradores da área que sofriam prejuízos a cada chuva.

No início deste mês, as equipes da Seminf iniciaram a recuperação da rede de drenagem e intensificaram os serviços, desviando para outro percurso, evitando, assim, a retirada das residências construídas em cima da rede. A obra recebeu 60 novas manilhas em concreto armado de um metro cada, para tornar mais eficiente a vazão da água e evitar definitivamente as alagações na área.

O serviço já está com 80% das obras executadas e, na próxima semana, recebe o recapeamento asfáltico em todo o trecho da via para ser entregue à população com segurança. “Neste período de chuvas, as redes de drenagem de Manaus, algumas muito antigas e outras afetadas por construções irregulares, apresentam muitos rompimentos e causam grandes prejuízos para a população. Nesses primeiros 100 dias, a Seminf, mesmo com o quadro de servidores afetado pela pandemia, tem se esforçado para atender a todas essas demandas, seguindo a determinação do prefeito David Almeida”, afirmou o vice-prefeito e secretário municipal de Infraestrutura, Marcos Rotta.

O problema no Japiim era recorrente há anos e recebia apenas medidas paliativas e, em pouco tempo, o problema voltava a ocorrer, chegando a colocar as vidas dos moradores em risco. “Muitos problemas foram deixados de lado em Manaus e ignorados pelo ex-prefeito, algo que não será admitido nem pelo prefeito e nem por mim nesta gestão”, disse Rotta.

Ao tomar conhecimento da situação, a equipe do distrito de obras da zona Sul acionou a Defesa Civil do Município e realizou uma visita técnica para identificar o problema e solucionar definitivamente a situação. O laudo técnico constatou que a construção irregular de aproximadamente dez casas sobre a rede de drenagem danificou a rede e provocou uma cratera de mais de 30 metros de profundidade.

Texto – Valesca Martins/Seminf
Fotos – Divulgação/Seminf