Restaurante popular do Governo do Estado tem como público prioritário pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Criado pelo Governo do Amazonas, o restaurante popular Prato Cheio de Manacapuru (a 68 quilômetros de Manaus) está cumprindo a sua missão de garantir segurança alimentar aos segmentos sociais mais vulneráveis da população. Só no primeiro mês de funcionamento, a unidade de Manacapuru contabiliza 2 mil cadastros sociais e 8 mil refeições servidas. O programa é coordenado pela Secretaria de Estado da Assistência Social (Seas) e Agência Amazonense de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental (Aadesam).

“Com apenas um mês de funcionamento desde a inauguração, o Prato Cheio de Manacapuru mostra o quanto esse programa é importante para a população. São 8 mil refeições servidas nesse período, além de 2 mil cadastros sociais. A projeção é alcançarmos 16 mil refeições até o final de janeiro somente nesta unidade”, destaca Alessandra Campêlo, secretária estadual de Assistência Social.

Diferencial – Segundo o supervisor do Prato Cheio de Manacapuru, Muller Pereira, o atendimento da equipe tem sido um dos fatores que colaboraram para o sucesso do programa, que garante o almoço ao preço simbólico de R$ 1 para segmentos em situação de vulnerabilidade social, como pessoas em situação de rua, desempregados e trabalhadores informais.

“Toda a equipe técnica que trabalha na unidade de Manacapuru tem atendido a população da melhor forma possível. Graças ao empenho de todos os nossos colaboradores, o serviço tem sido prestado de forma eficiente e ordeira, resultando na satisfação do público prioritário do Prato Cheio”, afirma Muller.

Endereço – Localizado na rua Quintino Bocaiuva, 1288, Centro, o Prato Cheio de Manacapuru foi inaugurado no dia 2 de dezembro e recebe o nome do saudoso Luiz Rodrigues da Mota, que foi vereador, prefeito do município e presidente da Câmara Municipal da cidade por dois mandatos. Ele faleceu em 2017.

No local, a refeição é vendida ao preço simbólico de R$ 1, mediante cadastro social e compra de senha, a partir das 8h. São servidos 400 almoços por dia, ou seja, 2 mil por semana (segunda a sexta-feira, das 11h às 13h), totalizando 8 mil refeições/mês.

Direito humano à alimentação adequada– De acordo com a Gerência de Ações Descentralizadas de Segurança Alimentar e Nutricional (GDSAN/Seas), o Prato Cheio tem como público prioritário pessoas em situação de vulnerabilidade social.

O acesso à alimentação adequada é um direito humano consagrado na Declaração Universal dos Direitos Humanos, na Constituição Federal de 1988 e na Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional, Lei Federal n° 11.346, de 15 de setembro de 2006.

FOTOS: Divulgação/Seas e Lucas Silva/Secom