Para governador Wilson Lima, ação enfraquece poder de fogo de traficantes

A Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), por meio do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), deflagrou, na quinta-feira (08/10) em Autazes (a 113 quilômetros de Manaus), a terceira fase da operação ‘Mamon’, que resultou na apreensão de 11 armas de fogo, totalizando 20 armas apreendidas desde o início da ação policial.

O balanço da operação policial foi apresentado durante entrevista coletiva de imprensa nesta sexta-feira (09/10), no DRCO, na Compensa, zona oeste da capital. Logo cedo, o governador Wilson Lima esteve no Departamento e parabenizou os policiais pela grande apreensão que, segundo ele, enfraquece o poder de fogo de traficantes.

“Aqui, temos oito armas longas, incluindo fuzis, submetralhadora, pistola e muita munição. Isso é resultado do compromisso que o Governo do Estado tem com a segurança e do rigor que está sendo adotado pelas nossas forças de segurança”, destacou Wilson Lima.

Na ocasião, a delegada-geral da Polícia Civil, Emília Ferraz, ressaltou que os trabalhos dos policiais civis foram essenciais para o sucesso da operação que, ao longo de três fases, conseguiu dar um prejuízo significativo aos criminosos. “Apresentamos aqui o resultado de mais um excelente trabalho. Com isso, mostramos à população que esse grande armamento foi retirado desses criminosos”, disse Emília.

O secretário de Estado de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), coronel Louismar Bonates, enfatizou a importância desta fase da ‘Mamon’, que retirou de circulação as armas de fogo. “Conseguimos evitar que muitos crimes ocorressem e desarticulamos essa organização criminosa. Estamos empenhados em combater o crime organizado no Estado”, frisou Bonates.

O delegado Rafael Allemand, diretor do DRCO, informou que, durante as investigações, os policiais já sabiam que organizações criminosas mantinham o arsenal escondido e, através do trabalho de inteligência e investigação, monitoraram a movimentação de alvos da operação.

“Quando eles começaram a agir, recebemos a informação de que o motorista do narcotraficante Gilson Mattos Rodrigues, que comandava o esquema, teria transportado as armas de um sítio conhecido como Amarelo, na BR-319, no município de Manaquiri, (distante 60 quilômetros em linha reta da capital) para Autazes”, relatou Allemand.

Ao ser indiciado, o motorista de Gilson, 41 anos, contou, na sede do DRCO, que as armas estariam enterradas em uma residência localizada na Rua AZ1, bairro Rosarinho, em Autazes. A equipe policial então se dirigiu ao município e, por volta de 15h de ontem, realizou a apreensão das armas.

Além do motorista, mais duas pessoas que auxiliaram no transporte das armas foram indiciadas. Agora, eles fazem parte do processo principal e responderão pelos crimes de organização criminosa e posse de arma de fogo de uso restrito.

Apreensão – Ao todo, durante as três fases da operação, foram apreendidas 20 armas de fogo de grosso calibre, todas as armas apreendidas estavam embaladas e nunca haviam sido utilizadas. Além das armas, os policiais encontraram diversas munições de calibres distintos, carregadores e extensores das armas.

Fotos: Erlon Rodrigues/PC-AM