Suspeitos cobraram R$ 50mil por resgate de homem, conforme polícia. No total, quatro pessoas foram presas.

Quatro pessoas suspeitas de integrarem uma quadrilha, entre elas dois policiais militares, foram presas por sequestro e extorsão, nesta quarta-feira (16), em Manaus. O grupo é suspeito de sequestrar um homem de 38 anos e manter a vítima em cativeiro. Segundo a polícia, eles cobravam R$ 500 mil pelo resgate.

De acordo com o delegado titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Charles Araújo, o sequestro aconteceu na noite de terça-feira (15), quando o homem entrava na casa onde mora. Ele foi abordado pelos suspeitos em um carro por volta das 18h30, no bairro Educandos, Zona Sul de Manaus.

“A DEHS foi acionada, nesta quarta, às 8h, pela família da vítima que nos procurou para informar que os indivíduos haviam cobrado R$ 500 mil para que a vítima fosse resgatada. As investigações se iniciaram às 14h”, informou o delegado, por meio de assessoria.

Equipes da delegacia, juntamente com o grupo Fera, localizaram o cativeiro onde o homem era mantido e resgataram a vítima, por volta de 14h30. Quatro pessoas foram presas em flagrante e, junto com elas, foram apreendidos uma arma de fogo calibre 40, três carros e uma moto.

Os homens foram presos em flagrante pelos crimes de extorsão e sequestro. Eles devem passar por audiência de custódia, onde ficarão à disposição da Justiça.

Por meio de nota, a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) informou que “serão abertos procedimentos administrativos e um Inquérito Policial Militar para aprofundar a apuração dos ilícitos”.

Os procedimentos ocorrerão paralelos ao inquérito policial sobre o crime, que será conduzido pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), conforme a SSP-AM.

“O Comando-Geral da PM informa que encaminhou à Diretoria de Justiça e Disciplina para acompanhar o caso e que a PMAM não coaduna com qualquer prática irregular e que possui um código de ética e legislação próprio, com regras bem claras para penalizar aqueles que cometem qualquer tipo de infração”, informou a secretaria.

Fonte: G 1 Am