Estado apresentou total de R$108,18 bilhões em 2019 e contribuiu para crescimento nacional.

O Produto Interno Bruto (PIB) do Amazonas apresentou crescimento de 2,3% e valor nominal de R$ 108,18 bilhões em 2019, o que contribuiu para o aumento na participação na economia nacional, saindo de 1,4% para 1,5%, na comparação com o ano anterior.

Em termos de valor do PIB, o Amazonas também subiu uma posição e voltou a ocupar a 15ª colocação no ranking das 27 Unidades da Federação (UF), depois de ficar na 16ª por três anos seguidos.

O levantamento de dados e análise do PIB do Amazonas é um dos produtos da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti), coordenado pelo Departamento de Estatística e Geoprocessamento (Degeo), da Secretaria Executiva de Planejamento (Seplan).

O titular da Sedecti, Jório Veiga, ressalta que o resultado do PIB 2019 é um reflexo do ambiente de negócios seguro que o Amazonas possui e que está sendo fortalecido com novas políticas públicas implementadas pelo governador Wilson Lima.

“A divulgação do PIB de 2019 traz dois pontos que são muito importantes para o Amazonas: primeiro é o fato de havermos subido a participação no PIB Nacional, e, também, a subida de nossa posição no ranking de participação dos estados. Isso demonstra que o ambiente de negócio é seguro e que vale à pena investir no estado”, avaliou o secretário.

*IBGE* – A secretária executiva de Planejamento da Sedecti, Sônia Janete Gomes, enfatiza que a metodologia utilizada para a construção do PIB do Amazonas é feita pelos técnicos da Seplan, sob a coordenação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), órgão responsável pela implementação da metodologia em todas as unidades da federação.

“Além de possibilitar a comparabilidade dos resultados entre os estados, a metodologia permite visualizar o desempenho dos setores das atividades econômicas locais. No caso do Amazonas, evidencia a importância do setor da indústria com destaque para a de transformação que influencia diretamente no setor de serviços, especificamente na atividade de comércio”, explica Sônia.

*Setores* – A participação dos setores no PIB do Amazonas em 2019 ficou dividida em: Serviços (48,8%), Indústria (30,5%), Impostos (16,1%) e Agropecuária (4,6%).

A Agropecuária apresentou queda em volume de 8,4% em 2019, resultado justificado pelas atividades de Agricultura e a pós-colheita, além da produção florestal e da pesca e aquicultura.

Alguns dos cultivos agrícolas com redução da produção, entre 2018 e 2019, foram a banana (-27,4%), o mamão (-17,6%) e a mandioca (-1,4%), sendo este último, o principal produto da agropecuária amazonense. Já as produções de cana-de-açúcar (12,6%) e de abacaxi (5,4%) apresentaram crescimento, porém não o suficiente para reverter a retração de 10,5% da Agricultura. Em produção florestal, pesca e aquicultura, destacou-se a queda na extração de açaí (-7,5%), produto relevante na economia do estado.

A Indústria, que tem peso relevante na economia do Amazonas sobretudo devido à Zona Franca de Manaus (ZFM), registrou crescimento em volume de 1,4% em 2019. O desempenho deste grupo de atividades ficou atrelado às Indústrias de Transformação, que representou 22% do PIB do estado e cresceu 1,3% em 2019.

A atividade de Eletricidade e Gás também apresentou variação positiva em volume de 5,2%, justificada pelo aumento de geração de energia elétrica. Em função dos acréscimos em volume verificados, a Indústria amazonense ganhou participação no PIB do estado, saindo de 28,9%, em 2018, para 30,5% em 2019.

Apesar do avanço da Indústria, os Serviços se mantiveram como o grupo de atividades de maior participação na economia amazonense e apresentaram crescimento em volume de 3,3%. A variação foi influenciada principalmente por comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas, que cresceu 6,7%, devido ao segmento varejista.

Outro destaque de crescimento, com registro positivo de 8,9%, foi o das atividades profissionais, científicas e técnicas, administrativas e serviços complementares. O aumento foi de 2% entre as atividades de administração, defesa, educação e saúde públicas e seguridade social, sendo esta última a principal atividade entre os serviços.

Os Impostos tiveram um crescimento de 10,8% em seu valor nominal na comparação entre os anos de 2019 e 2018. Na média dos últimos cincos anos, os impostos cresceram 6,1%.

*Por que o PIB é de 2019?* – O PIB é a soma de todos os bens e serviços somados aos impostos, e permite analisar as dinâmicas das atividades econômicas e seus impactos sobre a economia. A metodologia do PIB faz uso do Sistema de Contas Nacionais do Brasil, implementada pelo IBGE, a partir de recomendações feitas pela Organização das Nações Unidas (ONU), e comparáveis entre todas as Unidades da Federação.

Por conta da consolidação dos dados estatísticos em todos os estados, o PIB tem uma defasagem de dois anos, tendo seu resultado divulgado referente ao ano de 2019 em todo Brasil. Esse prazo está relacionado à realização de levantamentos da produção de todos os bens e serviços e das pesquisas sobre o comércio, serviços e indústria, entre outras, que após a sua compilação final passam a ser incorporadas ao PIB.

Para o cenário mais atual, referente aos anos de 2020 e 2021, utilizam-se estimativas de todos os bens e serviços, por meio de dados preliminares, agregando as contas trimestrais.

Para mais informações sobre o PIB do Amazonas (PIB Regional) e sobre outros estudos, basta acessar o site da Sedecti: www.sedecti.am.gov.br e clicar na aba “Indicadores e Mapas”.

FOTOS: Divulgação/Sedecti, Michell Mello/Arquivo Secom e Alfredo Fernandes/Arquivo Secom