Brasil não está na lista de países com permissão para produzir o remédio; empresas brasileiras poderão participar, mas desde que as versões sejam apenas exportadas.

A Pfizer anunciou nesta terça-feira, 16, uma acordo de licença voluntária para a fabricação e fornecimento de genéricos do comprimido contra a Covid-19 desenvolvido pela farmacêutica. Fabricantes de genéricos que obtém no sub-licença poderão comercializar o remédio e fornecê-lo a 95 países. Mas o Brasil não está incluído nessa lista. O país precisará comprar o medicamento direto da Pfizer, provavelmente a preços mais altos do que os das versões genéricas Países como Líbia, China, Cuba, Iraque, Rússia e Jamaica também foram excluídos do acordo. Os fabricantes de genéricos têm até o dia 6 de dezembro para manifestar interesse na produção do novo remédio. Empresas brasileiras poderão participar, mas desde que as versões sejam apenas exportadas. Conforme o acordo, a Pfizer não receberá royalties sobre as  vendas em países de baixa renda enquanto a Covid-19 permanecer como emergência de saúde pública. No início do mês, a farmacêutica anunciou que o comprimido Paxlovid reduzia o risco de hospitalizações ou mortes pela doença em 89%. O remédio é prescrito em combinação com o anti-viral utilizado para o tratamento do HIV. Os testes no Brasil começaram na semana passada.

Fonte: JP Notícias