Pesquisa feita no EUA afirma que os níveis de anticorpos de pessoas que passaram por esse tipo de situação podem subir até 2.000%.

Um pesquisador da Universidade de Saúde e Ciência do Oregon (OHSU, na sigla em inglês), nos Estados Unidos, afirmou, nesta segunda-feira (20/12), que pessoas totalmente vacinadas contra a Covid-19 que, em seguida, são infectadas pelo novo coronavírus acabam desenvolvendo uma espécie de superimunidade contra a doença.

De acordo com o professor de microbiologia molecular e imunologia da OHSU, Fikadu Tafesse, os níveis de anticorpos destes pacientes podem aumentar até 2.000% em comparação aos que nunca entraram em contato com o vírus.

“Os aumentos foram substanciais, de até 1.000% e, às vezes, de até 2.000%, então é uma imunidade realmente alta. É quase uma ‘superimunidade’”, afirmou o cientista em entrevista ao jornal USA Today.

Estudos anteriores já mostraram evidências de que as pessoas que se recuperam da Covid-19 e recebem, em seguida, uma dose da vacina, desenvolvem uma resposta melhor às futuras infecções.

O estudo de Tafesse, no entanto, percorreu o caminho inverso, analisando os níveis de anticorpos presentes no organismo de pessoas que foram infectadas após completar o esquema de vacinação.

Os cientistas da OHSU compararam amostras de sangue de 26 funcionários da instituição vacinados e que tiveram infecções graves com as de pessoas que foram vacinadas, mas nunca foram infectadas pelo coronavírus. O professor alertou que a conclusão não deve ser usada para que as pessoas tentem se infectar propositalmente com o objetivo de aumentar a imunidade contra o coronavírus.

Fonte: Metrópoles