Sim, é possível realizar o sonho de conhecer as ilhas Maldivas sem ir à falência.

É possível fazer uma viagem barata às Maldivas? Nesse post te contamos como economizar ao conhecer esse destino fantástico!

A viagem para as Maldivas permeia os sonhos de muitas pessoas. A água transparente com diversos tons de azul, areia fina e rica vida marinha são os cenários ideais para as férias. Entretanto, as Maldivas são um destino glamorizado por artistas, celebridades e muitas fotos no Instagram. Para muitos é uma viagem quase que inacessível devido ao alto custo. Mas acredite é possível planejar uma viagem para as Maldivas sem ter que vender a sua casa ou carro. Deixe de lado a vida de celebridade e curta as mesmas belezas naturais gastando o mesmo que numa viagem para os Estados Unidos ou Europa. Descubra neste post como economizar e viajar low cost para as Maldivas.

Viajando barato para as Maldivas

Eu estive recentemente nas Maldivas. Fiquei por lá duas semanas de férias explorando as belezas naturais. Você pode estar pensando: “Duas semanas nas Maldivas? Deve ter custado uma fortuna!” Na verdade, não!

Resolvi dividir minha viagem com hospedagem em duas ilhas públicas para conhecer melhor, curtir ao máximo e economizar. Em média os gastos diários, incluindo passeios, alimentação e hospedagem, giraram em torno dos US$ 70.

Ilha pública ou resort?

Esta é a primeira dica para quem quer economizar. A principal decisão se você quer viajar para as Maldivas na forma econômica ou na mais cara. E a resposta aqui não é tão simples. É claro que o dinheiro pesa e muito nesta decisão. Mas avalio que não é somente o seu bolso que importa na hora de definir em ficar num resort ou numa ilha pública. As escolhas são completamente distintas, assim como a experiência de viagem a ser vivida.

Se você curte relaxar com uma grande infra-estrutura hoteleira e sonha em se hospedar num bungalow no mar, o resort é sua praia. Mas se você quiser economizar, vivenciar ao máximo as Maldivas e fazer diversos passeios, com certeza a sua escolha é a ilha pública. Foi isto que escolhi na minha viagem. Além de gastar menos, sou do tipo de pessoa que não consegue ficar parada muito tempo num único lugar, gosto de ter experiências diferentes a cada dia.
Vale destacar que tanto num resort quanto numa ilha pública às belezas naturais são inigualáveis e você poderá fazer aquelas fotos para todos ficarem babando com seu stories no Instagram. Como essas eu tirei na ilha pública:

Como escolher uma ilha pública nas Maldivas?

As Maldivas são formadas por milhares de ilhas e a maioria não é habitada. Já algumas são privadas e pertencem a resorts enquanto outras são públicas. São nestas ilhas públicas que vivem os maldivos e estão localizadas as guest houses e hotéis mais econômicos. Entre as mais famosas estão Maafushi e Thulusdhoo. Mas antes de escolher uma ilha veja o perfil de cada uma delas, distância e transporte a partir do aeroporto de Malé.
As Maldivas consistem em 26 atóis, recifes de corais e bancos de areia. É bem provável que você conheça apenas algumas ilhas durante a viagem, mas vale a pena ver no mapa a geografia peculiar dos atóis das Maldivas:

Qual a melhor ilha pública nas Ilhas Maldivas para mim?

Maafushi é a mais famosa de todas. Ao sul da capital Malé, a cerca de 25 minutos em speedboat, esta ilha conta com uma boa infra-estrutura turística. São diversas opções de restaurantes, hotéis e pousadas, lojas e mercadinhos. Além disto, Maafushi é um ótimo ponto de partida para diversos passeios para explorar as maravilhas das Maldivas. Só tem um porém: as praias desta ilha são ruins e não apresentam aquela beleza que os turistas buscam nas Maldivas.

Não podemos dizer que Thulusdhoo é totalmente o oposto de Maafushi, mas quando o assunto é praia, esta ilha ao norte de Malé é muito mais espetacular. São cinco belas opções com areia fina e mar com infinitas cores de azul. A vida em Thulusdhoo é mais pacata. Há diversas pousadas, mas a diversidade de restaurantes, infra turística e serviços deixam um pouco a desejar. A ilha é muito procurada pelos surfistas que encontram naquela região as melhores ondas das Maldivas.
Nos dias em que fiquei nas Maldivas estive uma parte em Maafushi e outra em Thulusdhoo e aproveitei ao máximo. A primeira ilha eu mais indico para passeios e para curtir uma vila mais agitada com comércio e restaurantes. Já em Thulusdhoo o que impera é a tranquilidade. Lá você pode curtir uma maravilhosa praia, estilo cartão postal, sem ter que pegar nenhum barco – coisa que não rolará em Maafushi.

Há ainda outras ilhas públicas como Keyodhoo – famosao para os amantes de pesca em alto mar ou mergulhadores profissionais; Fulidhoo – ilha cercada por uma grande praia de areia branca e a diversidade da vida marinha; Fuvahmulah – atol de uma única ilha repleta de beleza e importância histórica.

Como economizar na hospedagem nas Ilhas Maldivas?

As Maldivas contam com diversas ilhas públicas, onde é possível encontrar hotéis e diversas pousadas. As principais ilhas são Malé, Hulhumalé (ao lado da capital), Maafushi e Thulusdhoo. As pousadas e hotéis apresentados abaixo são bem avaliados e custam entre US$ 40 e US$ 100 a diária em apartamentos duplos, alguns contam com café da manhã incluído e servem refeições.
Malé tem diversas opções de hotéis e pode ser bom ponto de partida para conhecer outras ilhas, apesar de a cidade ser um pouco caótica, amontoada de prédios, não ter praia, e não ter a cara daquilo que o viajante busca das Maldivas.  Entre as opções há o Tourist Inn e o Sala Boutique Hotel.

Ao lado da capital fica a ilha artificial de Hulhumalé. Com boa infra-estrutura turística, a região conta com uma bela praia e diversos locais para se hospedar, como o h78 e Manta Beach. Pode ser uma boa pedida para esticar a sua estadia com passeios às outras ilhas ou tomar um voo logo cedo. Um táxi até lá saindo do aeroporto custa US$ 3.

Hulhumalé

Ao lado da capital fica a ilha artificial de Hulhumalé. Com boa infra-estrutura turística, a região conta com uma bela praia e diversos locais para se hospedar, como o h78 e Manta Beach. Pode ser uma boa pedida para esticar a sua estadia com passeios às outras ilhas ou tomar um voo logo cedo. Um táxi até lá saindo do aeroporto custa US$ 3.

Maafushi

Saindo da área da capital é hora de explorar as outras ilhas púbicas mais famosas. Em Maafushi o turista encontrará uma das melhores infra-estruturas turísticas. São inúmeras as opções de hotéis e pousadas com bom custo-benefício. O hotel mais famoso, pouco mais caro, é o Kaani Palm Beach. Mas há outras opções bem mais econômicas e boas como: Sunrise Beach, iCom Marina Sea View, Salt Beach Hotel.

Thulusdhoo

Já se você busca ótimo custo-beneficio e uma ilha mais preservada, sem a loucura da vida turística, Thulusdhoo pode ser a sua opção. Com belas praias, esta ilha é muito procurada pelos surfistas e ao norte da capital, conta com hotéis e pousadas. Tem o Ocean Breeze (gerenciado por uma brasileira) e o Reef Edge Thulusdhoo.

O que pode ser muito interessante fazer é revezar a ilha pública quando estiver nas Maldivas para conhecer mais e curtir ao máximo este paraíso no Oceano Índico. Eu fiquei uns dias em Maafushi e outros em Thulusdhoo. Indico no mínimo 3 dias inteiros em cada uma para usufruir e fazer todos os passeios.

É possível comer barato nas Maldivas?

Tanto na capital Malé ou nas ilhas públicas é possível comer bem pagando pouco. A culinária das Maldivas tem forte influência da cozinha da Índia e do Sri Lanka, então se prepare para encontrar pratos bem condimentados e levemente apimentados. Mas não se preocupe, devido à grande concentração de turistas, a maioria dos restaurantes oferece um cardápio variado e internacional. Facilmente encontrará pratos para atender o seu gosto.

Na ilha de Maafushi há diversas opções de restaurantes e o valor dos pratos começam em cerca de US$ 5. Também é possível encontrar opções de buffets ilimitados por US$ 12. Há ainda lanchonetes com preços bem acessíveis.

Em Thulusdhoo a infraestutura gastronômica é menor, mas não menos saborosa. Em média o custo da comida é de US$ 8 e tem até restaurante que oferece comida brasileira, um deleite para os turistas e surfistas nacionais que invadem este arquipélago ao norte de Malé.

Já em Malé e Hulhumale (ilha unida a capital por um ponte e área mais perto do aeroporto) o valor da comida é um pouco mais em conta. Há restaurantes espalhados por todos os lugares e ainda é possível encontrar as famosas redes de fast food – o sanduíche é um pouco mais caro do que estamos acostumado e um sanduíche custa US$ 12.
Não deixe de provar os salgadinhos das Maldivas, há diversos tipos e formatos ao custo unitário de US$ 0,15 em média, mas cuidado com a pimenta!

Como economizar no transporte entre as ilhas das Maldivas?

As Maldivas é formada por cerca de 1.200 ilhas. É isto mesmo! São centenas de ilhas espalhadas por uma grande área no Oceano Índico. A maioria delas não é habitada, apenas cerca de 200. É possível chegar de barco na maior parte, mas em algumas o melhor a fazer é pegar um voo devido à grande distância – isto não custa barato e é melhor evitar se quiser economizar.

A porta de entrada do país é o aeroporto internacional de Malé, capital do país. Diretamente de lá é possível pegar barco para os resorts e para as ilhas públicas, parte que nos interessa se o intuito é fazer uma viagem low cost. Do píer em frente a área de embarque os barcos saem para capital Malé ao custo de US$ 0,65 e para as famosas ilhas publicas de Maafushi e Thulusdhoo, entre outras. Viajar para estas ilhas não é tão barato e o valor é tabelado entre as empresas que operam no mercado das Maldivas.
A viagem em barcos rápidos para Maafushi dura cerca de 30 minutos e custa US$ 20 o trecho. Já para Thulusdhoo o valor é de US$ 25 e o tempo também é de cerca de 30 minutos. Fique atento aos horários e disponibilidade, pois não há tanta frequência. Para economizar há ainda o ferry público entre as ilhas públicas e o aeroporto que custam em média US$ 5, mas devido à pandemia algumas rotas foram suspensas ou tiveram o número de viagens drasticamente reduzidos. Vale destacar que a economia aqui é só de dinheiro, pois o tempo é muito maior. A viagem em ferry público entre Malé e Thulusdhoo dura cerca de 3 horas. Se puder, evite!

Alguns preços nas Ilhas Maldivas

Os custos para o turista que busca uma viagem econômica nas Maldivas não diferem muito de uma viagem para a Europa ou Estados Unidos. Me refiro a uma comparação com alguns dos países mais baratos europeus, como Portugal, Espanha, República Tcheca, etc. Veja abaixo o custo médio de algumas coisas no arquipélago.

Quanto custam os passeios nas Maldivas

Os passeios nas Maldivas começam a partir dos US$ 25 com alimentação e fotos inclusas, promovendo atividades de pesca, mergulho e snorkel. É possível avistar corais, arraias-manta gigantes, tartarugas marinhas e até tubarões-baleias. Na ilha de Maafushi há diversas operadoras oferecendo o serviço entre as mais conhecidas tem a iCom Tours e a ShadowPalm – um diferencial desta última são os vídeos com drones ao custo extra de US$ 20, vale muito a pena principalmente no banco de areia ou nadando com tubarões.

Quanto custa uma passagem para as Ilhas Maldivas?

As passagens para as Maldivas, em classe econômica, geralmente custam entre R$ 4.000 e R$ 6.000. No entanto, não é raro encontrarmos passagens promocionais para a capital Malé com valores mais baixos. Já chegamos a divulgar passagens para lá no valor de cerca de R$ 3 mil.
Para acompanhar o preço das passagens para as Maldivas e não perder as boas oportunidades que surgem, baixe o aplicativo do Melhores Destinos ou assine nossa newsletter. Nós monitoramos os preços 24 horas por dia e avisamos gratuitamente assim que aparece alguma promoção.

Quais companhias aéreas fazem mais promoções para as Maldivas?

Diversas companhias aéreas operam para as Maldivas partindo do Brasil com conexão na Europa ou no Oriente Médio. Entre elas: Emirates, Lufthansa, Swiss,  Air France, etc. A Qatar e a Turkish são as duas que mais fazem promoções, as quais divulgamos recentemente.

Qual a melhor rota para chegar às Maldivas?

A maioria dos brasileiros que chega às Maldivas opta pelos voos da Emirates, Qatar e Turkish. Em média são 22 horas de viagem contando a conexão. O mais indicado é fazer uma parada estratégica na ida ou na volta em Dubai, Doha ou Istambul para quebrar o cansaço da longa viagem até o Brasil. Aproveite e veja nossos guias para planejar a melhor estadia e roteiro.

Brasileiros podem viajar para as Ilhas Maldivas durante a pandemia?

A pandemia ainda não acabou e bom você saber que as Maldivas exigem alguns documentos de todos os viajantes que lá chegam.
As exigências de entrada são:

Apresentar um atestado médico provando o resultado negativo do teste PCR de Covid-19, realizado com menos de 96 horas da partida;

Passageiros que transitaram em outro país por mais de 24 horas devem repetir o teste. O certificado deve ter o nome do passageiro igual ao do passaporte, bem como o nome e endereço do laboratório de testes;

Apresentar confirmações de reservas de hotel válidas para toda a estadia;

Preencher o formulário “Traveller Health Declaration” nas 24h que antecedem o embarque. O documento também deve ser preenchido na saída;

Não há a cobrança de taxas extras ou quarentena para quem não apresentar sintomas.

Vale destacar que circula a informação em alguns lugares sobre a obrigatoriedade de fazer teste PCR para sair das Maldivas. Isto não procede. Você só deve ficar atento sobre quais são as exigências do seu país de destino após deixar o arquipélago. Se precisar fazer um PCR o teste custa a partir de US$ 60.
Fique atento que a partir do ano que vem o governo das Maldivas cobrará uma taxa de todos os turistas que chegam. O valor é a partir de US$ 60, veja aqui mais detalhes.

Fonte: Melhores Destinos