O número 30 terá uma chapa ‘Puro sangue’

O partido NOVO  apresenta nesta terça-feira,  (30) às 17h no hotel Mercure Manaus, localizado na Avenida Mário Ypiranga nº 1.000- bairro Adrianópolis, os pré-candidatos aos cargos de prefeito, vice-prefeito e vereadores que disputarão as eleições municipais 2020 em Manaus. Este será o primeiro pleito que o NOVO, partido que teve seu registro deferido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2015, participará no Amazonas. O empresário Romero Reis e o advogado Félix de Melo Ferreira lideram a chapa. 13 pré-candidatos (nove homens e quatro mulheres) concorrerão a Câmara Municipal de Manaus.

Romero Reis e Félix Ferreira foram escolhidos como pré-candidatos a prefeito e vice-prefeito após participar de um processo seletivo interno do partido, que analisou a biografia dos pré-candidatos e requisitos como capacidade de gestão e conhecimento da máquina pública. Na última etapa do processo, os pré-candidatos tiveram que apresentar um diagnóstico de problemas e soluções para a cidade.

Durante a seleção, entre os principais pontos defendidos por Romero estão: Educação de qualidadea; Saúde que funcione; Geração de Emprego; Segurança, treinando, qualificando e armando a Guarda Municipal; Mobilidade Urbaba e Transporte Coletivo; Esporte, Cultura e Lazer; e Saneamento básico, além de modernização da máquina pública.

“Mesmo tendo um período prolongado para promover aliança, que conduziriam a coligação, o NOVO optou por sua independência. Nos recusamos a nos unir com integrantes da velha política em troca de maior tempo de televisão. Temos um projeto inovador de fazer política e de administrar o bem público. O cidadão assim como suas dificuldades estão em primeiro lugar em nossa plataforma de trabalho. Ao compor uma chapa com integrantes exclusivamente do NOVO, teremos uma oportunidade impar de apresentar propostas passíveis de serem executadas, em virtude dos custos serem racionais (com base nos valores praticados pelo mercado) e focados nas demandas coletivas dos moradores da capital”, explicou Romero Reis, pré-candidato a prefeito de Manaus.

Biografia Romero Reis

Romero Reis é Engenheiro de Fortificação e Construção, formado pelo Instituto Militar de Engenharia, Major da reserva do Exército Brasileiro, Presidente do Grupo RD Engenharia. Atuou como conselheiro e Presidente do Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico de Manaus (CODESE Manaus), que tem com o objetivo colocar Manaus entre as 10 melhores para se viver e entre as 20 melhores para se fazer negócios no País.

Essa será a primeira vez que Romero, 59 anos, casado com Nádia Magalhães da Costa Reis, pai de 5 filhos e avô de 4 netos, irá enfrentar as urnas. Segundo ele, a decisão de encarar a disputa eleitoral se deu através de um processo de amadurecimento natural: “Se nós quisermos que as coisas verdadeiramente mudem, não podemos deixar as decisões nas mãos dos mesmos de sempre, que nos levaram ao estado atual. O setor produtivo é quem cria emprego, que movimenta a economia e desenvolve o país, mostrando como fazer uma cidade que seja melhor para todas as pessoas e não para os políticos que desejam o poder”.

Biografia Félix de Melo Ferreira

Félix de Melo Ferreira, natural de Rio Branco/AC, é bacharel em Direito, formado pela Universidade Federal do Amazonas, 54 anos, casado, sócio proprietário da banca de advogados Félix Ferreira e Advogados Associados desde 1998. Atua nas áreas cível, empresarial e trabalhista. Mora em Manaus desde os oito anos de idade.

Até os 18 anos atuou no comércio informal e serviu na Força Aérea Brasileira. Atuou na Procuradoria da Suframa como assessor jurídico na década de 90. No período de 1998 a 2004, participou da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/AM).

É filiado ao NOVO, desde julho 2019, defendendo ideias liberais da economia e conservadoras nos costumes. Liberal, por entender que é a iniciativa privada que produz riquezas, enquanto o Estado deve apenas desempenhar o papel de facilitador das condições objetivas para o desenvolvimento da atividade produtiva. Conservador por ser cristão e defender os ensinamentos bíblicos.

Partido Novo

O Partido Novo foi fundado em fevereiro de 2011, mas teve seu registro definitivo autorizado pelo Tribunal Superior Eleitoral em novembro de 2015. Desde sua primeira eleição que participou em 2016, seus representantes defenderam como principais bandeiras de campanha o fim do “fundão” para custear campanhas eleitorais e o fim dos privilégios para políticos.

Em 4 anos de mandato, a bancada do NOVO estima economizar cerca de R$ 148 milhões para os cofres públicos com a recusa de receber auxílio-moradia, auxílio mudança, reembolso de gastos com a saúde, aposentadoria especial, automóvel público com motorista pago com o valor dos impostos arrecadados da população brasileira. Se o exemplo dos políticos do NOVO de abrir mão dos benefícios fosse seguido pelos demais parlamentares, o Brasil economizaria cerca de R$ 5,7 bilhões.

O partido defende que o orçamento do governo de todas as esferas do poder (Município, Estado e União) deve ser investido em setores vitais para resguardar o bem-estar do cidadão como segurança, saúde, educação, infraestrutura e geração de empregos a partir do apoio a consolidação de empresas.

Novo no Amazonas

Dos 62 municípios amazonenses, Manaus é a primeira cidade a contar com um diretório municipal do Partido NOVO. Segundo os organizadores, a capital foi a pioneira, mas não deverá ser a única a contar com diretório. “Estamos com apoiadores e filiados em outras cidades do Amazonas, trabalhando para estruturar uma base sólida e assim, na próxima eleição, obter o direito de fundar seus diretórios”, declarou o Presidente Municipal do NOVO, Hélio Reis.

Os 13 filiados, que concorrerão a vagas na Câmara Municipal de Manaus, também participaram de processo seletivo. São empreendedores, servidores públicos, advogados, contadores, que defendem a não utilizam do Fundo Eleitoral de Financiamento de Campanha (FEFC) para cobrir os custos das disputas eleitorais.

No início deste mês de junho, o partido NOVO comunicou ao TSE que abriu mão do FEFC para as eleições de 2020. Conforme a lei que regulamenta as eleições, Lei nº 9.504/1997, a verba do FEFC que não for utilizada nas campanhas eleitorais deverá ser devolvida ao Tesouro Nacional. O NOVO deverá devolver à União cerca de R$ 36,5 milhões.