Um levantamento online realizado pelo IBOPE inteligência apontou que as mulheres ficaram mais ansiosas boa parte do tempo durante a pandemia. Também houve um aumento no uso de medicamentos tarjados e naturais de 38% e 29%, respectivamente. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), o Brasil é o país com o maior número de pessoas ansiosas do mundo, quadro que só piorou desde o início da pandemia.

A pesquisa, solicitada pela empresa Weleda, revelou que a ansiedade está atingindo, principalmente, as mulheres mais jovens, entre 20 e 29 anos. Fabrício Dias, médico especialista em antroposofia, avalia que o isolamento social teve papel fundamental nos dados coletados. “Antes os problemas eram distraídos com saídas e viagens, mas essa situação nos fez olhar para dentro. A pandemia nos trouxe para o lugar de enfrentamento com o outro e com nós mesmos, mas para quem não estava preparado não está fácil”, diz.

Fonte: Viver Bem