BRASÍLIA (Reuters) – O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos cobrou, nesta sexta-feira, que as autoridades brasileiras redobrem os esforços para encontrar o jornalista inglês Dom Phillips e o indigenista Bruno Pereira, diante da preocupação pela contínua falta de informações sobre o paradeiro e bem-estar deles.
Os dois realizavam uma expedição no Vale do Javari, uma área remota na Amazônia, e estão desaparecidos desde domingo. O caso tem gerado repercussão internacional.
“Instamos as autoridades brasileiras a redobrar seus esforços para encontrar Phillips e Pereira, com tempo de urgência, tendo em vista os riscos reais aos seus direitos à vida e à segurança”, disse a porta-voz do comissariado, Ravina Shamdasani, segundo nota no site da organização.

“Portanto, é crucial que as autoridades nos níveis federal e local reajam de forma robusta e rápida, inclusive empregando plenamente os meios disponíveis e os recursos especializados necessários para uma busca eficaz na área remota em questão”, acrescentou.
O organismo também elogiou o trabalho dos grupos da sociedade civil que atuam de forma coordenada para localizar os dois homens, inclusive com o envio de missões de busca e salvamento à área.

“Ressaltamos também nossa preocupação com o contexto mais amplo de constantes ataques e perseguições enfrentados por defensores de direitos humanos, ambientalistas e jornalistas no Brasil. As autoridades têm a responsabilidade de protegê-los e garantir que possam exercer seus direitos, inclusive à liberdade de expressão e associação, livres de ataques e ameaças”, afirmou.

Os investigadores que apuram o desaparecimento do jornalista e do indigenista estão se concentrando nas pessoas envolvidas com a pesca ilegal e a caça irregular em terras indígenas, disseram três policiais à Reuters.

 

 

 

Fonte: Yahoo