Tragédia foi causada pelo armazenamento inadequado de nitrato de amônio.

Na tarde desta terça-feira (4), Beirute, capital do Líbano, foi atingida por uma enorme explosão, que deixou um rastro de destruição pela cidade. Até o momento, foram confirmados 78 mortes e 4 mil feridos, além de diversas casas e prédios destruídos pela onda de choque resultante do estouro. Horas depois da tragédia, não se sabe ainda a real dimensão da explosão, e informações sobre o caso – bem como o número de mortos e feridos – seguem sendo

De acordo com dados do serviço geológico dos Estados Unidos, o estouro gerou um desses Marques semelhantes àsproduzidas por um terremoto de magnitude 3.3. Como explicou Don Blakeman, geofísico do Centro Nacional de Informações sobre Terremotos, dos EUA, em entrevista à CNN, o fato de a explosão acontecer na superfície, e não embaixo da Terra, como é o caso dos terremotos , fez a energia se espalhar pelo ar. Isso significa que, se a mesma energia tivesse sido liberada embaixo da terra, a potência da explosão seria comparável a um terremoto de magnitude maior, e com potencial destrutivo mais alto

O que se sabe até agora

Uma explosão, inicialmente pequena e acompanhada de um incêndio e uma nuvem negra de fumaça, foi registrada em uma área portuária na zona leste de Beirute, no que parecia ser um armazém. Às 12:05 no horário de Brasília, uma segunda explosão ocorreu, dessa vez muito maior e mais destrutiva. Com ela, uma enorme onda de choque e uma nuvem de fumaça esbranquiçada foram lançadas na cidade, causando danos severos à área ao redor e em regiões vizinhas.

A segunda explosão foi registrada em vídeo sob diferentes ângulos, por espectadores que filmavam a fumaça no armazém. Em minutos, os vídeos compartilhados nas redes sociais viralizaram e dominaram o noticiário internacional.

Fonte : Super  interessante