Profissionais  dão dicas para emagrecimento com saúde


Procure não fazer dieta na pandemia”. Essa era a recomendação de médicos no início da quarentena. No entanto, à época, o que nem mesmo os especialistas da saúde podiam prever é que as medidas de isolamento social no Brasil se estenderiam por meses a fio. Agora, o discurso dos profissionais é outro. O controle alimentar está liberado, mas com ressalvas.

Tomadas por estresse, muitas pessoas permitira-se mergulhar em refeições à base de comforts foods nos últimos tempos. Chocolate, hambúrguer, lasanha e muito vinho. O relaxamento alimentar, totalmente compreensível em tempos de crise, entretanto, já começa a escancarar seus resultados. Quatro meses de confinamento e más escolhas alimentares depois, os quilos acumulados aparecem na balança.

Agora, com a flexibilização nas normas de distanciamento e uma leve esperança de voltarmos à rotina em breve, a busca para contornar o prejuízo é grande, tanto para resgatar a autoestima quanto para garantir o bem-estar no retorno às atividades.

Mas como fazer dieta sem abalar o sistema imunológico (afinal, o coronavírus continua em crescimento no país)? Para responder essa pergunta e sugerir maneiras saudáveis de reduzir medidas na quarentena foram consultados uma equipe de especialistas

Posso mesmo fazer dieta na quarentena?

Alessandra Luglio, formada em nutrição pela Universidade de São Paulo (USP) e especialista em alimentação natural e vegetarianismo, explica que a alimentação está diretamente ligada à imunidade

“Restrições alimentares geram carências nutricionais e podem promover um aumento do estresse oxidativo, além de diminuir a eficiência do sistema imunológico”, alerta.

Por isso, dietas até podem ser feitas em momentos de crise sanitária como este, mas com cuidado.

A melhor estratégia para perder peso rápido e com saúde é…

“Retirar ou minimizar ao máximo os alimentos de alta densidade calórica e aumentar/incluir os alimentos de alta densidade nutricional. Isso significa priorizar o consumo de alimentos naturais e de origem vegetal e evitar os ultraprocessados, açucarados, fritos e gordurosos”, afirma Alessandra.

A nutricionista indica substituir esses alimentos pobres nutricionalmente por leguminosas (feijão, grão de bico, ervilha, lentilha); cereais (aveia, arroz integral, quinoa); frutas cítricas e vermelhas, que são ricas em vitamina C;  além de folhas verdes escuras e legumes coloridos, que auxiliam no controle da saciedade e melhoram o funcionamento intestinal.

Devo apostar no low carb?

Na tentativa de perder peso, é muito comum reduzir drasticamente ou até mesmo excluir o carboidrato por completo do cardápio. Porém, o médico nutrólogo especialista em medicina do esporte Leandro Vaz conta que apostar nessa estratégia durante a quarentena não é recomendado.

“ Restringir esse nutriente pode ter consequências negativas ao sistema imunológico”, avisa.

Dietas restritivas como a low carb podem gerar mal-estar, dor de cabeça e dificuldade de concentração. Isso ocorre porque o cérebro utiliza a glicose vinda dos carboidratos para ter mais energia. Como esse nutriente está restrito, o cérebro precisa de adaptar. Outra característica de quem reduz drasticamente o consumo de carboidrato é a alteração de humor. Há uma tendência ao mau humor, pois o carboidrato participa da produção de um neurotransmissor que estimula a alegria, chamado de serotonina.

“No momento em que vivemos e com as emoções afloradas, a abolição seria mais uma fonte de estresse e poderia causar ciclos compulsivos”, avalia a nutricionista Alessandra.

A orientação dos especialistas, portanto, é reduzir/eliminar apenas carboidratos refinados, como farinhas brancas, pães, arroz branco, macarrões ou massas não integrais, biscoitos, bolachas e bolo.

É uma boa ideia associar dieta a exercícios de alta intensidade neste momento?

Os profissionais sustentam que não. “Associar dieta a exercícios de alta intensidade pode deixar o organismo mais vulnerável”, adverte Leandro.

Atividades moderadas, porém, estão liberadas. “O importante é seguir uma alimentação saudável e equilibrada, controlando as calorias, incluindo muitos vegetais e legumes coloridos, frutas, cereais e bebendo bastante água.

Exercícios leves servem como aliados da redução de peso e ajudam a eliminar quilos de maneira mais rápida e sustentável”, complementa Alessandra.

Dicas valiosas

O médico aconselha aproveitar o período em casa para preparar refeições nutritivas à base de ingredientes naturais.

“Evite pedir delivery. Use o tempo livre em casa para cozinhar e comer comida de verdade”, sugere Leandro. “As pessoas que têm pedido pizzas e hambúrgueres em casa têm engordado e piorado os exames. Na contramão, tenho pacientes que perderam cerca de 15kgs por estarem aproveitando o momento para comer refeições feitas artesanalmente”, emenda.

Ele ainda aconselha evitar lanches na hora do jantar. “Faça um mini-almoço à noite. Diminua a quantidade, mas coma uma refeição ao invés de lanche. Sacia mais e é mais nutritivo”, recomenda.

Já a nutricionista ressalta a importância do exercício físico para a perda de peso. “Já que estamos sem acesso à academia, procure fazer exercícios moderados em casa. Inicie a prática e aumentar a intensidade de forma gradativa, com constância”, instrui a profissional.

Ela ainda lembra que as atividades físicas melhoram a qualidade do sono. “E quem dorme melhor, perde peso mais rápido”, finaliza.

Fonte: Metrópoles