Popularmente chamada de “dia do lixo”, estratégia de se permitir comer besteiras em excesso compromete resultados

Comer salada e frango a semana inteira dá, a algumas pessoas, a falsa sensação de portar o direito de “enfiar o pé na jaca” no fim de semana. A medida tem até nome: dia do lixo, quando hambúrgueres e fritas, ou seja, alimentos hipercalóricos, ganham vez.

médica nutróloga Marcella Garcez, porém, não aconselha esse tipo de estratégia, geralmente posta em prática entre sexta e domingo.

“O consumo de alimentos como frituras, fast-foods e sobremesas, em um dia de pausa na dieta, cria uma ideia equivocada de recompensa durante o processo de reeducação alimentar” ensina

Segundo ela, há dois erros principais. O primeiro é colocar muita ansiedade sobre esse dia. O segundo, o risco de comer de maneira compulsiva, colocando a perder todos os resultados perseguidos com afinco nos demais dias.

Se a ideia é, por exemplo, diminuir o consumo de açúcar acabar-se em chocolate, mesmo que em uma única refeição, pode desencadear gatilhos perigosos. “A ingestão de grandes quantidades da substância em um dia gera um efeito rebote no organismo, com a reativação dos mecanismos de recompensa ligados ao ingrediente e o retorno do desejo por doces no dia seguinte”, explica Marcella.

Mais que atrasar a perda de peso, o termo incentiva uma relação errada com o alimento, na visão da especialista.

Sem radicalismos

Vale lembrar, no contexto de pandemia de coronavírus, que dietas restritivas não são recomendadas. Em tempo: procure ajuda de um profissional para fazer um plano alimentar adequado às suas necessidades.

Fonte: Metrópoles