A pesquisa investigou amostras na capital amazonense e em oito municípios do Estado.

Um  estudo do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) apontou que, pelo menos, três linhagens diferentes do novo Coronavírus foram introduzidos no Amazonas. A pesquisa investigou amostras na capital amazonense e em oito municípios do Estado.

Segundo o levantamento da equipe do pesquisador e vice-diretor de Pesquisa e Inovação da Fiocruz Amazônia, Felipe Naveca, as três linhagens do vírus foram identificadas em Manaus. Em Manacapuru, Manaquiri (Região Metropolitana) e Manicoré (Rio Madeira), a pesquisa encontrou duas linhagens circulando, e nos municípios de Autazes, Careiro, Santa Isabel do Rio Negro, Tabatinga e Santo Antônio do Içá (Alto Solimões), circulam as demais linhagens.

“Segundo Naveca, a existência das três linhagens do SARS-CoV-2: A2; B1.1; B1, sugere ao menos três introduções do vírus no Estado”, diz o instituto, que informou ainda que as linhagens achadas no Amazonas são frequentemente encontradas em amostras da Austrália, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos.

Genomas sequenciadores

O estudo sequenciou 37 genomas do novo Coronavírus, de acordo com a Fiocruz Amazônia. O pesquisador alerta para a importância dos dados , diante da escassez de informações sobre os vírus que causam síndromes respiratórias na população do Estado.

Naveca, que concluiu o primeiro genoma SARS-CoV-2 do Norte do País em março deste ano, relata que o sequenciamento dos genomas contribuem para o desenvolvimento de vacinas e medicamentos contra o vírus.

Ainda conforme o instituto de pesquisa, os genomas identificados no Amazonas agora podem ser comparados a outros que circulam no Brasil e no mundo.

Fonte : Revista Cenarium