Thiago de Mello foi reconhecido como um dos mais influentes e respeitados escritores no país e exterior.

MANAUS – O poeta amazonense Thiago de Mello morreu na madrugada desta sexta-feira (14), aos 95 anos, em casa, em Manaus. A causa da morte ainda não foi divulgada.
Amadeu Thiago de Mello nasceu em Porantim do Bom Socorro, município de Barreirinha (a 330 quilômetros de Manaus), no dia 30 de março de 1926. Ele também era tradutor. É um dos mais influentes e respeitados escritores no país e no exterior, reconhecido como um ícone da literatura regional.

Ainda criança, mudou-se com a família para Manaus onde começou os estudos no Grupo Escolar Barão do Rio Branco e, depois, no Ginásio Pedro II. Dez anos mais tarde mudou-se para o Rio de Janeiro e, em 1950, ingressou na Faculdade Nacional de Medicina, mas não chegou a concluir o curso. Optou por seguir a carreira literária.
Durante a década de 50, colaborou com veículos de comunicação de oposição ao governo de Getúlio Vargas, fundou a Editora Hipocampo e dirigiu o Departamento Cultural da Prefeitura Municipal da Cidade do Rio de Janeiro. Após um período servindo no Itamarati como agente diplomático de cultura do Brasil na Bolívia e, posteriormente, no Chile (onde conheceu o poeta Pablo Neruda).

Em 1965, retorna para o Brasil. Porém, três anos após a sua chegada é perseguido pelo regime militar e se vê forçado a viajar novamente para Santiago (Chile), onde permanece exilado por 10 anos, tempo suficiente para escrever algumas de suas maiores obras que lhe renderam também um prêmio concedido pela Associação Paulista dos Críticos de Arte, ainda durante o regime militar.
Thiago de Melo tornou-se conhecido internacionalmente como um intelectual engajado na luta pelos Direitos Humanos. Sua obra mais famosa é “Os Estatutos do Homem”.

Fonte: amazonasatual