O Ministério Público Federal começou nesta terça-feira (20) a receber e investigar denúncias evolvendo curas milagrosas ao coronavírus, anunciadas por pastores e líderes religiosos de todo Brasil.

De acordo com o MPF, o órgão tem recebido denúncias de charlatanismo encaminhadas por centenas de internautas.

Entre os casos que chamaram atenção dos procuradores e promotores está a oferta de “feijões milagrosos”, anunciados pelo pastor Waldemiro Santiago, líder da Igreja Mundial do Poder de Deus.

Segundo a denúncia, o pastor anunciou a venda de feijões mágicos capazes de curar pessoas com coronavírus. Os feijões estavam à venda com preços entre R$ 100 a R$ 1 mil. A propaganda da cura milagrosa estava no canal da igreja no Youtube, e tinha registrado mais de 1 milhão de visualizações.

Após receber intimação do MPF, o Youtube tirou do ar o vídeo do pastor Waldermiro Santiago. O MPF continua a investigação.

Outro caso de exploração da fé aconteceu no litoral de São Paulo. Um pastor evangélico de Praia Grande usou as redes sociais para divulgar uma “receita infalível contra o Covid-19.

Segundo o pastor Waldeir de Oliveira, líder da Igreja Assembleia de Deus da Missão, para ficar livre do coronavírus basta fazer gargarejos matinais com uma mistura de água morna, bicarbonato de sódio e limão. “Se não tiver limão, pasta substituir por vinagre de maçã”, ensina.

O pastor disse que a receita veio de um médico de Israel, onde segundo Waldeir, a doença não conseguiu atingir a população. O MPF também está investigando o caso.

Outra denúncia envolve o missionário R.R Soares, da Igreja Internacional da Graça. No vídeo recebido pelo MPF, R.R Soares diz que é “a autoridade de Deus para mandar o coronavírus para o inferno”.

Em um trecho do vídeo, o missionário aparece dizendo “Mal, é uma ordem! Pegue tudo o que é seu agora e vá embora! Eu exijo! Desapareça! Solte essa vida agora. Eu estou mandando!”.

A denúncia contra R.R Soares começou a ser investigada no final de março.

O Ministério Público Federal esclarece que as pessoas que tiverem denúncias envolvendo charlatanismo podem entrar em contato pelo site http://www.mpf.mp.br/, pelo telefone (92) 2129-4700, ou buscar as páginas do órgão nas redes sociais.