Na falta do imunizante, poderá ser aplicada a vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca ou da Janssen.

O Ministério da Saúde detalhou nesta quinta-feira, 18, por meio de nota técnica, como será a aplicação da dose de reforço da vacina contra a Covid-19 para aqueles que completaram o esquema vacinal primário com o imunizante da Pfizer. Na última terça-feira, 16, quando o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, estendeu a dose adicional para toda a população adulta, a pasta ainda não havia definido qual imunizante seria usado em quem recebeu as duas doses da farmacêutica norte-americana. Na ocasião, inclusive, o ministro recomendou que o reforço fosse realizado com o esquema heterólogo, ou seja, com uma vacina de fabricante diferente daquele utilizado nas primeiras aplicações.

Nesta quinta-feira, no entanto, a Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 definiu que a terceira dose será realizada preferencialmente com o imunizante da Pfizer, independente de quais vacinas tenham sido administradas no primeiro esquema vacinal, seja Pfizer, CoronaVac ou AstraZeneca. Na falta do imunizante, poderá ser aplicada a vacina da AstraZeneca ou da Janssen. Ainda não há recomendação para a dose de reforço da vacina da Janssen, que agora será aplicada em duas doses. “A vacina a ser utilizada para a dose de reforço deverá ser, preferencialmente, da plataforma de RNA mensageiro (Pfizer/Wyeth) ou, de maneira alternava, vacina de vetor viral (Janssen ou AstraZeneca), independente do esquema vacinal primário”, diz nota.

Fonte: JP Notícias