Levantamento feito com pacientes da rede D´Or de hospitais sugere que suporte respiratório precoce é mais eficiente que intubação imediata.

Durante os primeiros oito meses da pandemia de coronavírus no Brasil, de fevereiro a outubro de 2020, a taxa de mortalidade da Covid-19 em pacientes internados caiu 42% – entre os que receberam suporte ventilatório, a queda foi de 36%. A conclusão faz parte de um levantamento feito pelo Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino publicado na revista científica Intensive Care Medicine.

Segundo os pesquisadores, o suporte respiratório não invasivo, ao invés da intubação imediata de pacientes com necessidade de suplementação de oxigênio, foi determinante para a diminuição da mortalidade no período compreendido pela análise. Foram verificados dados de 13.301 pacientes com Covid-19 em 42 hospitais da Rede D’Or São Luiz em oito estados brasileiros.

“Entre as maiores contribuições do estudo está a demonstração de que a adequação de estratégias assistenciais voltadas para o cuidado do paciente grave com Covid-19, como o uso de esteroides e ventilação não invasiva precoce, é capaz de reduzir a necessidade de intubação e a mortalidade”, destaca Fernando Bozza, intensivista responsável pela pesquisa. O período analisado corresponde à primeira onda de Covid-19 no Brasil.

Outro ponto que contribuiu para a queda na mortalidade foi a mudança no perfil do paciente: conforme a epidemia evoluiu, mais pacientes jovens e sem outras comorbidades começaram a ser admitidos nas unidades de terapia intensiva dos hospitais.

Fonte: Metrópoles