Ato infracional análogo ao crime de tráfico de drogas lidera ranking de apreensões na capital amazonense.

De janeiro a agosto deste ano, 419 adolescentes foram apreendidos, em Manaus, por atos infracionais. Os dados são da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM). Conforme a Delegacia Especializada em Apuração de Atos Infracionais (Deaai), da Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), os crimes de tráfico de drogas, roubo e furto são as principais causas das apreensões.

Das apreensões efetuadas, 137 foram por envolvimento com o tráfico de drogas. Outras 93 por casos de roubo, e 22, de furto. O maior porcentual de apreensões realizadas neste ano é de adolescentes do sexo masculino, com o índice de 92,8% das ocorrências do período.

A titular da Deaai, delegada Elizabeth de Paula, afirma que os crimes de tráfico e roubo estão ligados. “Às vezes, eu apreendo um adolescente por roubo porque ele está alimentando o tráfico. Em outras, apreendo por tráfico que está envolvido até o pescoço com roubo, principalmente a veículos, a aplicativos e ao transporte coletivo, principalmente na zona norte de Manaus”, disse.

A delegada faz ainda um alerta aos pais sobre o uso de entorpecentes, como a maconha, por adolescentes. “Não existe maconha mais leve. Hoje a maconha vem com uma substância tóxica que, em alguns casos, em pessoas que têm tendência, pode desenvolver uma doença mental”.

Violência doméstica – Elizabeth de Paula afirma que, além dos casos como tráfico de drogas, outro tipo de crime chama a atenção das autoridades: a violência doméstica cometida por adolescentes.

“Durante a pandemia, nós observamos um aumento muito grande de casos envolvendo adolescentes que estão desenvolvendo doenças mentais, passando por algum sofrimento, e a partir deste momento passam a registrar casos de agressões dentro de casa. É o caso de filhos que estão empurrando a mãe, xingando, desrespeitando a própria mãe. Também há relações com as namoradas. São adolescentes que estão causando constrangimento para a garota, fazendo ameaças, tentando acessar os dados do celular. Esses casos já demonstram relacionamento tóxico”, enfatiza.

Em todo o ano passado, 882 adolescentes foram apreendidos pela polícia, conforme os dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM).

FOTO: Tarcísio Heden/SSP-AM