O ex-presidente defendeu que a Anvisa está correta em seguir a ciência e incluir as crianças no plano de vacinação contra Covid.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) usou suas redes sociais para criticar o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que tem criado resistências à vacinação de crianças contra a Covid-19.

O petista comparou Queiroga a Herodes, rei que governava o território da Judeia no ano de nascimento de Jesus Cristo e que é conhecido, pela Bíblia, por ter mandado matar todas as crianças de até 2 anos de idade (Mateus 2:1-16).

“Às vésperas do Natal, o ministro da Saúde faz uma declaração absurda, que parece de Herodes, enquanto cria obstáculos para a vacinação de crianças. O presidente da Anvisa tem razão ao querer proteger a instituição, a ciência e as crianças na pandemia, respeitando o bom senso”, postou o ex-mandatário, também se referindo ao posicionamento da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que recomenda a imunização dos menores.

Às vésperas do Natal, o ministro da Saúde faz uma declaração absurda que parece de Herodes, enquanto cria obstáculos para a vacinação de crianças. O presidente da Anvisa tem razão ao querer proteger a instituição, a ciência e as crianças na pandemia, respeitando o bom senso.
— Lula (@LulaOficial) December 24, 2021

Na quinta-feira (23/12), Queiroga, que é médico cardiologista, reforçou que não é prioridade a vacinação de crianças e alegou que o número de mortes por Covid-19 registradas nesse público é baixo e, por isso, não exige “decisões emergenciais”.

“Os óbitos de crianças estão absolutamente dentro de um patamar que não implica decisões emergenciais. Ou seja, isso favorece que o ministério possa tomar uma decisão baseada na evidência científica de qualidade, na questão da segurança, na questão da eficácia e da efetividade”, disse o ministro.
A postura de Queiroga segue o posicionamento do presidente da República, Jair Bolsonaro, que chegou a defender a prescrição médica para que os menores recebessem o imunizante.

Fonte: Metrópoles